sicnot

Perfil

Mundo

"Ato mal-intencionado" estará na origem de explosões em petroquímica no sul de França

As duas explosões seguidas de um incêndio ocorridas hoje numa empresa petroquímica no sul de França, que não causaram feridos, não terão tido uma causa acidental, afirmam várias fontes concordantes.

© Philippe Laurenson / Reuters

"Um ato mal-intencionado é uma hipótese séria", disse uma fonte próxima do caso, citada pela agência France Presse.

"De acordo com os primeiros elementos do inquérito, a probabilidade dos dois tanques, a uma distância de 500 metros, se incendiarem é muito baixa. Os investigadores privilegiam a teoria de um ato voluntário", afirmou outra fonte citada pela AFP.

O vice-procurador Rémy Avon anunciou ter sido aberto um inquérito por "destruição por incêndio".

As duas explosões ocorreram cerca das 03:00 locais (02:00 em Lisboa) no complexo da empresa holandesa LyondellBasell em Berre-l'Etang, perto do aeroporto de Marselha-Marignane, indicou fonte da investigação.

Os tanques continham hidrocarbonetos e os incêndios foram apagados pelos bombeiros a meio do dia.

Um responsável da empresa disse que o incidente "não é tóxico", tendo sido instalada uma "barragem preventiva" na lagoa junto ao complexo fabril para evitar qualquer poluição.

Lusa

  • Passos acusa Governo de "sacudir água do capote"

    País

    O líder do PSD, Pedro Passos Coelho, acusou este sábado o Governo de "sacudir a água do capote" para não assumir a responsabilidade pelo que está a ser decidido, usando uma política de comunicação que considerou ser um "embuste".

  • Quase 200 polícias solidários com agentes acusados
    2:29

    País

    Perto de 200 polícias manifestaram-se este sábado na sede da PSP em Alfragide, em solidariedade com os 18 agentes acusados no processo Cova da Moura. O Sindicato Nacional de Polícia associou-se ao protesto e diz existir um aproveitamento político do caso.

  • Polícias ameaçam com protestos no arranque do campeonato
    1:24

    País

    Os agentes da PSP ameaçam boicotar a presença nos jogos do campeonato da Primeira e Segunda ligas que começam em 15 dias. Os agentes colocam em causa o atual modelo de policiamento no futebol, que faz com que muitos dos profissionais da PSP trabalhem sem remuneração em dia de folga.