sicnot

Perfil

Mundo

Preso suspeito de filmar a morte de rapaz de 13 anos no Bangladesh

A polícia do Bangladesh anunciou hoje que prendeu um homem suspeito de filmar o assassínio brutal de um menino de 13 anos, que provocou a indignação pública depois de se tornar viral na Internet.

As autoridades policiais prenderam Nur Mia, de 20 anos, na periferia da cidade de Sylhet, no nordeste do país, na quarta-feira.

"Nur Mia gravou o vídeo através do seu (telemóvel) Nokia, sob instruções de Kamrul", disse o chefe da polícia local à agência francesa AFP, Akhter Husain, referindo-se ao outro suspeito neste caso.

"Ele (Nur Mia) descarregou o vídeo no Facebook e partilhou com os seus amigos", disse Husain.

Mia é a nona pessoa presa desde o assassínio, a 8 de julho, de Samiul Alam Rajon, que foi amarrado a um poste e, em seguida, submetido a uma agressão brutal enquanto implorava pela sua vida.

Kamrul fugiu para Jeddah, na Arábia Saudita, após o ataque brutal ao rapaz, mas relatórios indicam que já foi preso pelas autoridades sauditas.

A polícia disse ainda, na quarta-feira, que já prendeu outro homem, Moyna Chowkidar, qualificando-o de suspeito principal no caso.

Milhares de pessoas mobilizaram-se na quarta-feira nas ruas e nas redes sociais no Bangladesh, numa onda de repulsa pelo linchamento mortal do rapaz de 13 anos.

O rapaz, identificado como Samiul Rajon, foi agredido por pelo menos quatro pessoas na passada quarta-feira na cidade setentrional de Sylhet, após ter sido acusado de roubar, segundo explicou o comissário da polícia local, Kamrul Husain.

Segundo os resultados da autópsia, o menor morreu devido a uma hemorragia cerebral e apresentava mais de 60 feridas no corpo.

Os agressores gravaram um vídeo de 28 minutos, que foi publicado no Facebook, em que se vê o menino a ser golpeado por uma espécie de bastão em repetidas ocasiões e em diferentes partes do corpo, enquanto se encontra atado a um poste de uma paragem de autocarros.

Diversas páginas foram criadas no Facebook em homenagem Rajon, enquanto no Twitter foi criado um 'hashtag' (#JusticeForRajon). Uma iniciativa, que pede ao Governo do Bangladesh que tome medidas rapidamente, lançada através da plataforma Change.org já recolheu quase 7.000 assinaturas.

Lusa

  • "Às vezes o senhor primeiro-ministro irrita-me um bocadinho"
    2:05

    País

    O Presidente da República disse esta quinta-feira de manhã que António Costa é "irritantemente otimista" por teimar em "ver violeta-rosa onde há roxo". Marcelo Rebelo de Sousa recordou ainda Mário Soares numa aula no Colégio Moderno, em Lisboa.

  • Montenegro nunca será candidato contra Passos
    0:50
  • Cientistas testam útero artificial em cordeiros prematuros

    Mundo

    Um grupo de cientistas desenvolveu um útero artificial - o Biobag - que se assemelha a uma bolsa de plástico e que ajuda no desenvolvimento de cordeiros prematuros. O método foi testado nestes animais mas os cientistas do Hospital Pediátrico de Filadélfia, nos Estados Unidos, garantem que poderá vir a ser utilizado também em bebés que nascem prematuros.

  • Exame ao sangue descobre cancro um ano antes do reaparecimento

    Mundo

    Uma equipa de investigadores britânicos descobriu uma maneira de identificar o regresso do cancro, com um ano de antecedência. Através de um exame ao sangue, a equipa conseguiu identificar os primeiros sinais da doença, uma série de células invisíveis ao raio-X e à TAC. A descoberta pode vir a permitir tratar o cancro mais cedo e, como resultado, poderá aumentar as chances de o curar.

  • Casados há 69 anos, morrem de mãos dadas com 40 minutos de diferença

    Mundo

    Isaac Vatkin, de 91 anos, morreu cerca de 40 minutos depois de Teresa, de 89 anos, no passado sábado no Highland Park Hospital, no estado norte-americano Ilinóis. "Não queríamos que fossem embora, mas não podíamos pedir que partíssem de melhor maneira", afirmou o neto William Vatkin. O casal morreu no hospital poucos dias depois de celebrarem 69 anos de casados.

  • Trump cria linha de apoio a vítimas de "extraterrestres criminosos"

    Mundo

    Quando o Governo norte-americano usa o termo "extraterrestre criminoso", refere-se a alguém que não é cidadão dos Estados Unidos da América e que foi condenado por um crime. Quando a mesma expressão é usada pelos utilizadores do Twitter, o significado é completamente diferente. Os internautas pensam na série Ficheiros Secretos e em discos voadores. Por isso, o lançamento de uma linha telefónica, por parte da Casa Branca, para as vítimas de "extraterrestres criminosos" só podia dar em confusão.