sicnot

Perfil

Mundo

Presidente brasileira recebe homóloga argentina após cimeira da Mercosul

A Presidente do Brasil, Dilma Rousseff, recebeu, esta sexta-feira, na sua residência oficial, a sua homóloga argentina, Cristina Kirchner, depois de ambas terem participado na cimeira da Mercosul, que encerrou em Brasília.

Eraldo Peres

A chefe de Estado argentina deslocou-se ao Palácio da Alvorada, a residência oficial dos Presidentes brasileiros, acompanhada pelo seu ministro da Economia, Axel Kicillof, pelo vice-ministro dos Negócios Estrangeiros, Eduardo Zuain, bem como pelos secretários de Relações Económicas Internacionais e de Comunicação Pública, Carlos Bianco e Alfredo Scoccimarro, respetivamente.

Rousseff, por seu turno, tinha a seu lado o chefe da diplomacia brasileira, Mauro Vieira, o ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Externo, Armando Monteiro, e o titular da Secretaria da Comunicação Social da Presidência, Edinho Silva.

Após o encontro, que durou cerca de duas horas e meia, sobre cujo teor qual não foram reveladas informações, a Presidente argentina seguiu para o aeroporto sem prestar declarações.

A cimeira da Mercosul reuniu na capital brasileira, os Presidentes do Brasil, Argentina, Paraguai, Uruguai e Venezuela, bem como os das Bolívia e Guiana.

Durante a cimeira, Rousseff quebrou a formalidade com um emotivo discurso e irrompeu em lágrimas ao anunciar que se tratava provavelmente da última reunião do bloco participada pela sua "companheira e amiga".

Cristina Kirchner, a quem a Constituição impede de concorrer às eleições de outubro próximo, recebeu das mãos de Rousseff a Ordem do Cruzeiro do Sul, a mais importante condecoração concedida pelo Governo brasileiro.

"Terá sempre aqui uma amiga pronta para partilhar sonhos e esperanças", disse Rousseff.

Lusa

  • Os números das eleições francesas
    0:50

    Eleições França 2017

    Os resultados definitivos mostram que Emmanuel Macron obteve 24% dos votos, na primeira volta das eleições francesas. Ficou quase três pontos à frente de Marine Le Pen, que conseguiu 21,3%. Os números oficiais, publicados pelo Ministério do Interior, dão ainda conta da taxa de abstenção: 22,2%, um ligeiro aumento face à primeira volta das presidenciais de 2012.

  • ASAE encerra em média um restaurante por dia
    1:33
  • Grupo de brasileiros em assalto milionário no Paraguai
    1:24