sicnot

Perfil

Mundo

Um terço de doentes de SIDA em Moçambique abandona tratamento no primeiro ano

Um terço dos doentes em tratamento de SIDA em Moçambique abandona o acompanhamento clínico no primeiro ano, uma situação agravada pela falta de apoio do Governo, informou hoje a organização Médicos Sem Fronteiras (MSF).

© STR New / Reuters

Do universo de 1,6 milhões de infetados de SIDA em Moçambique, apenas 640 mil procuram tratamento, mas um terço abandonam-no logo no primeiro ano, segundo dados oficiais revelados em Maputo durante a apresentação do relatório "Aconselhamento em HIV/TB: Quem está a fazer o trabalho".

"A maior parte das organizações no terreno está a trabalhar, mas o Governo não está a garantir o seu próprio pessoal e, por isso, existe uma lacuna", disse à Lusa Carlota Silva, analista da MSF para o tema de SIDA, à margem da apresentação do relatório.

Apontando para os "conselheiros leigos", profissionais de formação curta e responsáveis pelo apoio psicossocial nas comunidades, como meio alternativo para fazer face aos altos índices de prevalência da doença em Moçambique, Carlota Silva considerou que o Governo moçambicano precisa garantir que o tratamento seja feito com mais qualidade e tenha um acompanhamento contínuo.

"É importante que haja mais vontade política por parte do Governo. Neste momento, os clínicos e enfermeiros são muito poucos", adiantou Carla Silva, acrescentando que os atuais 501 conselheiros registados em Moçambique não são capazes de responder ao crescente número de pessoas infetadas.

De acordo com o relatório da MSF, até ao final do ano Moçambique precisa de 1.893 conselheiros para atingir as metas estabelecidas pelo Governo.

Para Carlota Silva, a falta de condições económicas e a distância entre os postos de saúde e as residências das populações estão também entre as principais causas da desistência das pessoas em tratamento.

"Nós defendemos que o tratamento tem de ser muito simplificado para o paciente e o conselheiro tem a função de ajudá-lo, orientando-o em todo processo", reiterou a analista da organização, que tem projetos nas províncias de Maputo e Tete.

Também Lucas Molfino, chefe da missão da MSF, apontou o acompanhamento contínuo como um dos principais desafios no combate à sida em Moçambique, considerando que os clínicos não estão a conseguir responder à taxa de prevalência da doença no país, fixada em 11,%, de acordo com dados da ONUSIDA em 2014, e apelando para um maior envolvimento do Governo e das organizações da sociedade civil.

"A falta de apoio político e financeiro para um aconselhamento contínuo compromete os compromissos internacionais de combate a epidemia", declarou Lucas Molfino.

O relatório, que resulta de uma parceria entre a MSF, a ONU e a Rensida, compara Moçambique a sete Estados africanos, nomeadamente Lesoto, Malauí, África do Sul, Suazilândia, Zâmbia e Guiné Conacri, e constata que o país está a "negligenciar recursos cruciais" no combate à epidemia, embora haja progressos no âmbito da expansão da rede de tratamento.

O Governo moçambicano desembolsou 10,2 % do Orçamento do Estado de 2015 para apoiar o setor da saúde, num aumento de 1,1% face a 2014.

Lusa

  • Marcelo Rebelo de Sousa avisou que depois das autárquicas viria um novo ciclo. A lógica levou-nos a assumir que estava a falar do PSD, mas hoje, olhando para a situação política, devemos também incluir nessa previsão a “geringonça” e os seus equilíbrios. Não acredito que as coisas mudem até às legislativas, mas as contas só se fazem depois dos votos das autárquicas. Até lá, o tom de voz das esquerdas vai engrossar.

    Bernardo Ferrão

  • A corrida ao iPhone 8 no Japão, China e Austrália
    2:04
  • Milhares protestam na Catalunha contra Madrid
    1:45

    Mundo

    O Governo de Madrid mostrou-se disposto a dar mais dinheiro e autonomia financeira à Catalunha, se o Governo Regional suspender o referendo independentista. A 10 dias da consulta popular, a tensão é explosiva, com protestos nas ruas, detenções e confrontos com as autoridades.

  • O que separa a Catalunha do resto de Espanha?
    2:12

    Mundo

    Desde 1640, as revoltas catalãs representam a vontade pela distância e pela independência. Numa região que não é reconhecida formalmente como Nação, na Catalunha entende-se e fala-se mais castelhano do que catalão. Mas o que realmente separa a Catalunha do resto de Espanha?

  • Complexo Agroindustrial do Cachão abandonado e exposto à poluição
    2:03
  • Família Portugal Ramos
    15:01

    As Famílias Vintage regressaram esta quinta-feira, com uma viagem ao Alentejo. Foi a partir desta região que João Portugal Ramos conquistou um lugar entre os grandes do setor. Desde há 25 anos a vindimar em seu nome, o enólogo produz seis milhões de litros de vinho por ano.

  • Se pedir ao seu cão para ir buscar uma garrafa de vinho ele vai?
    0:49

    País

    Há 25 anos a vindimar no Alentejo, o enólogo João Portugal Ramos produz seis milhões de litros de vinho por ano. Em Estremoz comprou casa e terra. Iniciou a plantação de vinhas próprias e a construção de uma adega. Um espaço que conhece como as palmas da mão. Ele e um amigo muito especial.

  • Presidente das Filipinas pede que matem o filho se estiver envolvido nas drogas

    Mundo

    O Presidente das Filipinas pediu que matassem o seu filho se as acusações de que traficava droga fossem provadas. Rodrigo Duterte destacou ainda que, caso fosse verdade, iria proteger as autoridades que executassem Paolo Duterte. Em causa está a acusação de que o filho do Presidente filipino faria parte da máfia chinesa, que contrabandeia drogas, vindas da China para dentro do país.

    SIC

  • Morreu a mulher mais rica do mundo

    Mundo

    Liliane Bettencourt, herdeira do grupo de cosméticos L'Oréal e a mulher mais rica do mundo, segundo a revista Forbes, morreu na quarta-feira à noite aos 94 anos, anunciou a família.

  • Espanhola tenta provar há sete anos que está viva

    Mundo

    Uma mulher de 53 anos está há sete anos a tentar provar que está viva. Segundo o Estado espanhol, Juana Escudero Lezcano morreu a 13 de maio de 2010, mas na realidade quem morreu foi uma mulher com o mesmo nome e data de nascimento.

    SIC