sicnot

Perfil

Mundo

Um terço de doentes de SIDA em Moçambique abandona tratamento no primeiro ano

Um terço dos doentes em tratamento de SIDA em Moçambique abandona o acompanhamento clínico no primeiro ano, uma situação agravada pela falta de apoio do Governo, informou hoje a organização Médicos Sem Fronteiras (MSF).

© STR New / Reuters

Do universo de 1,6 milhões de infetados de SIDA em Moçambique, apenas 640 mil procuram tratamento, mas um terço abandonam-no logo no primeiro ano, segundo dados oficiais revelados em Maputo durante a apresentação do relatório "Aconselhamento em HIV/TB: Quem está a fazer o trabalho".

"A maior parte das organizações no terreno está a trabalhar, mas o Governo não está a garantir o seu próprio pessoal e, por isso, existe uma lacuna", disse à Lusa Carlota Silva, analista da MSF para o tema de SIDA, à margem da apresentação do relatório.

Apontando para os "conselheiros leigos", profissionais de formação curta e responsáveis pelo apoio psicossocial nas comunidades, como meio alternativo para fazer face aos altos índices de prevalência da doença em Moçambique, Carlota Silva considerou que o Governo moçambicano precisa garantir que o tratamento seja feito com mais qualidade e tenha um acompanhamento contínuo.

"É importante que haja mais vontade política por parte do Governo. Neste momento, os clínicos e enfermeiros são muito poucos", adiantou Carla Silva, acrescentando que os atuais 501 conselheiros registados em Moçambique não são capazes de responder ao crescente número de pessoas infetadas.

De acordo com o relatório da MSF, até ao final do ano Moçambique precisa de 1.893 conselheiros para atingir as metas estabelecidas pelo Governo.

Para Carlota Silva, a falta de condições económicas e a distância entre os postos de saúde e as residências das populações estão também entre as principais causas da desistência das pessoas em tratamento.

"Nós defendemos que o tratamento tem de ser muito simplificado para o paciente e o conselheiro tem a função de ajudá-lo, orientando-o em todo processo", reiterou a analista da organização, que tem projetos nas províncias de Maputo e Tete.

Também Lucas Molfino, chefe da missão da MSF, apontou o acompanhamento contínuo como um dos principais desafios no combate à sida em Moçambique, considerando que os clínicos não estão a conseguir responder à taxa de prevalência da doença no país, fixada em 11,%, de acordo com dados da ONUSIDA em 2014, e apelando para um maior envolvimento do Governo e das organizações da sociedade civil.

"A falta de apoio político e financeiro para um aconselhamento contínuo compromete os compromissos internacionais de combate a epidemia", declarou Lucas Molfino.

O relatório, que resulta de uma parceria entre a MSF, a ONU e a Rensida, compara Moçambique a sete Estados africanos, nomeadamente Lesoto, Malauí, África do Sul, Suazilândia, Zâmbia e Guiné Conacri, e constata que o país está a "negligenciar recursos cruciais" no combate à epidemia, embora haja progressos no âmbito da expansão da rede de tratamento.

O Governo moçambicano desembolsou 10,2 % do Orçamento do Estado de 2015 para apoiar o setor da saúde, num aumento de 1,1% face a 2014.

Lusa

  • Paulo Macedo pede calma para o bem do banco
    1:45

    Caso CGD

    Paulo Macedo falou pela primeira vez desde que foi eleito o novo Presidente da Caixa Geral de Depósitos e, para o bem do banco público, pediu calma a todos. Passos Coelho veio dizer que a recapitalização da Caixa pode ter de ser feita no verão do próximo ano para salvaguardar o défice deste ano. Já António Costa preferiu não comentar as declarações de Passos e diz que o banco público há muito que precisava de ser recapitalizado.

  • Condutores continuam com dúvidas em como circular numa rotunda
    2:06

    País

    Circular nas rotundas continua a ser um problema para muitos condutores. Cerca de 3 mil foram multados nos últimos três anos depois da entrada em vigor do novo código, os números são avançados pela Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária. Os instrutores de condução dizem que a medida provoca mais confusão nas horas de ponta.

  • O que aconteceu à menina síria que relatava a guerra no Twitter?
    1:59
  • Youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Reportagem da SIC "Renegados"
    1:27

    Grande Reportagem SIC

    O youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Grande Reportagem SIC "Renegados". Desde ontem já teve 67 mil visualizações no Facebook. Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981, quando a lei da nacionalidade foi alterada.«Renegados» é como se sentem estes filhos de uma pátria que os excluiu. Para ver, esta quarta-feira, no Jornal da Noite da SIC.

  • "A nossa guerra não deixou heróis, só vilões e vítimas"
    5:26

    Mundo

    Luaty Beirão é o rosto mais visível de um movimento de contestação ao regime angolano que começou em 2011, ano da Primavera árabe. Mas a par dos 15+2, mediatizados num processo que os condenou por lerem um livro, outros activistas arriscam diariamente a liberdade.