sicnot

Perfil

Mundo

Família de brasileiro morto pela polícia londrina há 10 anos continua a pedir justiça

Familiares do cidadão brasileiro morto por engano pela polícia de Londres pouco depois dos atentados terroristas de julho de 2005 marcaram o décimo aniversário da morte apelando a que os agentes envolvidos sejam levados a tribunal.

Prima de Jean Charles de Menezes fala aos jornalistas num memorial hoje realizado à porta da estação de metro onde Menezes foi morto.

Prima de Jean Charles de Menezes fala aos jornalistas num memorial hoje realizado à porta da estação de metro onde Menezes foi morto.

© Suzanne Plunkett / Reuters

Familiares de Jean Charles de Menezes exigiram justiça numa cerimónia à entrada da estação do metropolitano de Londres onde há dez anos o brasileiro foi confundido com um bombista suicida e morto a tiro pela polícia.

Menezes foi baleado sete vezes na cabeça e uma no ombro na estação de Stockwell, a 22 de julho de 2005, semanas depois dos ataques de 07 de julho, quando quatro bombistas suicidas causaram a morte de 52 pessoas fazendo-se explodir em vários pontos do metropolitano da capital do Reino Unido.

Com as forças de segurança de Londres em alerta máximo, a polícia seguiu-o até à estação com a falsa suspeita de que ele seria Hussain Osman, que vivia no mesmo bloco de apartamentos que o brasileiro e que no dia anterior tinha tentado replicar os atentados de 07 de julho, tendo falhado mas conseguindo fugir.

Os seus primos Vivian Figueiredo, Alessandro Pereira e Erinaldo da Silva, vestindo camisolas pretas com a frase "Justice for Jean" (Justiça para Jean), colocaram flores, acenderam velas e cumpriram um minuto de silêncio perante o mosaico que comemora a sua vida, à entrada da estação.

A família atravessou "dez longos anos de dor, luta e determinação para obter justiça, para levar a julgamento não só os que dispararam as balas, mas também os que deram a ordem", declarou um porta-voz da família perante as dezenas de apoiantes que se juntaram no local.

"Ele era uma pessoa bonita, um filho amável, um amigo amável, um primo amável", afirmou Vivian Figueiredo, de 32 anos, à agência France Presse (AFP).

"Vamos continuar a lutar, e espero que a nossa luta não beneficie apenas a nossa família, mas também outras famílias, outras comunidades e pessoas a que a mesma coisa aconteceu", acrescentou, declarando que a família continuará a lutar "para nos certificarmos que a mesma coisa não volte a acontecer".

Em 2006, procuradores do Estado decidiram que nenhum agente da polícia enfrentaria acusações, considerando não haver provas suficientes para que a perspetiva de uma eventual condenação fosse realista.

Alguns familiares protestaram a decisão, apelando ao Tribunal Europeu dos Direitos Humanos, que começou a ouvir o caso em junho deste ano.

A polícia de Londres foi no seu todo considerada culpada de incumprir normas de saúde e segurança, e multada.

Lusa

  • Estamos quase na hora de verão

    País

    Esta madrugada muda a hora. Quando for 1h00, os relógios adiantam para as 2h00. Será uma noite com menos tempo de sono, mas os dias vão ficar mais longos com o chamado horário de verão.

  • Hora do Planeta, apagam-se as luzes para despertar consciências
    2:19
  • Divorciados vão poder dividir filhos no IRS 

    Economia

    Os divorciados vão passar a poder dividir os filhos no IRS (imposto sobre o rendimento singular) e o Governo está a estudar soluções para que em 2018 haja um novo sistema para lidar com a guarda conjunta de filhos.

  • "Os governos são diferentes mas o povo é o mesmo"
    0:45

    Economia

    O Presidente da República atribui o resultado do défice do ano passado ao espírito de sacrifício do povo português. Num jantar em Coimbra para assinalar o Dia do Estudante, Marcelo Rebelo de Sousa considerou ainda que o valor do défice de 2016 é a prova de que com governos diferentes conseguem-se os mesmos objetivos.

  • Ataques aéreos dos EUA em Mossul podem ter causado a morte de 200 civis
    1:22
  • Pai do piloto da Germanwings defende inocência do filho

    Mundo

    O pai de Andreas Lubitz declarou esta sexta-feira que o filho não é o responsável pelo embate do avião da Germanwings contra um local montanhoso, que fez 150 mortos. O Ministério Público alemão concluiu em janeiro que o incidente em 2015 foi apenas da responsabilidade do piloto.

  • Quando o cancro chega por mero acaso
    1:55

    Mundo

    Cerca de dois terços das mutações que ocorrem nas células cancerígenas devem-se ao acaso, segundo um estudo da Universidade Johns Hopkins, nos Estados Unidos. Em Portugal, o Diretor do Programa Nacional Doenças Oncológicas alerta para a importância de um diagnóstico precoce e um estilo de vida saudável como forma de reduzir a fatalidade.