sicnot

Perfil

Mundo

Poluição na China diminuiu, mas ainda aquém dos padrões de qualidade, diz Greenpeace

O nível de poluição nas cidades chinesas baixou no primeiro semestre de 2015, mas a qualidade do ar permanece muito aquém dos padrões globais e nacionais, segundo a avaliação difundida hoje pela organização ambientalista Greenpeace.

reuters

A densidade média de partículas PM2.5 - as mais suscetíveis de se infiltrarem nos pulmões - diminuiu 16% em 189 cidades e aumentou em apenas 18, refere a Greenpeace, citando os dados das agências especializadas do governo.

Em Pequim, entre janeiro e junho deste ano, a densidade das PM2.5 caiu 15,5% em relação a igual período de 2014, para 77,8 microgramas por metro cúbico - o triplo do limite fixado pela Organização Mundial de Saúde e acima dos 35 microgramas por metro cúbico estabelecidos pelos governos da China e outros países.

Hoje ao meio-dia (05:00 em Lisboa), a densidade daquelas partículas na atmosfera da capital chinesa atingia os 92 microgramas por metro cúbico e a qualidade geral era considerada "nociva".

O outro indicador da poluição que diminuiu em Pequim no primeiro semestre de 2015 diz respeito ao dióxido de sulfúreo (menos 42,6%) e à escala nacional, o nível de dióxido de carbono baixou 18%, salientou também a Greenpeace.

Nos últimos anos, a poluição tornou-se uma das principais fontes de descontentamento popular na China, a par da corrupção e das crescentes desigualdades sociais.

Em março de 2014, o novo primeiro-ministro chinês, Li Keqiang, anunciou que o governo ia "declarar guerra à poluição" e alertou que "a natureza já lançou um alerta vermelho contra o modelo de ineficiente e cego desenvolvimento".

"Iremos declarar guerra à poluição e iremos combatê-la com a mesma determinação com que lutámos contra a pobreza", disse Li Keqiang.

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.