sicnot

Perfil

Mundo

Desemprego no Brasil aumenta 44,9% num ano e atinge 1,7 milhão de pessoas

O desemprego no Brasil atingiu 1,7 milhões de pessoas em junho, o que representa um aumento de 44,9% em relação ao mesmo mês do ano anterior, segundo dados divulgados hoje pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

© Sergio Moraes / Reuters

A taxa de desemprego registada em junho foi de 6,9%, a maior desde julho de 2010, e ligeiramente superior ao mês de maio (6,7%).

O desemprego no Brasil é medido pela chamada taxa de desocupação, que considera os maiores de 14 anos que estão sem emprego, mas ativamente em busca de trabalho.

O valor do rendimento médio mensal real caiu de 2.212,87 reais (613,56 euros) em junho de 2014 para 2.149,10 reais (595,88 euros) no mesmo mês deste ano.

A Pesquisa Mensal de Emprego, divulgada hoje pelo IBGE, entrevista brasileiros nas regiões metropolitanas das cidades de Porto Alegre (região sul do país), Rio de Janeiro, Belo Horizonte, São Paulo (as três no sudeste), Salvador e Recife (no nordeste).

Outra pesquisa divulgada pelo instituto no início do mês, a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua, registou uma taxa de desocupação de 8,1%, correspondente a 7,9 milhões de pessoas, no primeiro trimestre.

A diferença ocorre porque essa pesquisa é mais ampla, e considera domicílios de 3.500 municípios.

Lusa

  • Incêndio de Setúbal "quase dominado"
    4:04

    País

    O incêndio que deflagrou segunda-feira em Setúbal está "quase dominado", segundo informações da presidente da Câmara. Maria das Dores Meira diz que não há feridos a registar e que os habitantes já vão regressando a casa. Para ajudar no combate ao fogo foram enviados meios de Lisboa.

  • "Lancei um tema que os portugueses há muito queriam discutir"
    11:26
  • Danos Colaterais 
    18:55
    Reportagem Especial

    Reportagem Especial

    Jornal da Noite

    Nos últimos oito anos a banca perdeu 12 mil profissionais. A dimensão de despedimentos no setor é a segunda maior da economia portuguesa, só ultrapassada pela construção civil. A etapa mais complexa da história começou em 2008, com a nacionalização do BPN. Desde então, as saídas têm sido a regra. A reportagem especial desta terça-feira, "Danos Colaterais", dá voz aos despedidos da banca.