sicnot

Perfil

Mundo

Pequim suspeita que CIA colaborou com casinos de Macau para espionagem

O The Guardian divulgou, esta quarta-feira, um relatório "altamente confidencial", datado de junho de 2010, segundo o qual Pequim acreditava que os casinos da norte-americana Las Vegas Sands estariam a trabalhar em conluio com a CIA nos casinos de Macau.

© Tyrone Siu / Reuters

"Muitos dos funcionários [chineses] que contactámos eram da opinião de que agências de inteligência norte-americanas são muito ativas em Macau e que penetraram e utilizaram os casinos norte-americanos para apoiar as suas operações", refere-se no relatório, elaborado por um investigador privado, divulgado no jornal britânico.

A investigação foi encomendada pela Sands China, subsidiária da norte-americana Las Vegas Sands, do magnata Sheldon Adelson, numa altura em que havia preocupações com a crescente hostilidade do Governo da Região Administrativa Especial de Macau relativamente à indústria do jogo em geral e, em particular, face à Sands, escreve o jornal.

O relatório, assinalado com uma advertência de que não podia chegar ao interior da China, foi revelado pelo Programa de Jornalismo de Investigação da Universidade da Califórnia, em Berkeley.

Figura entre o rol de documentos apresentados a tribunal no caso da Las Vegas Sands, que está a ser ouvida no âmbito de uma ação civil interposta por um antigo dirigente seu em Macau, que processou a empresa por despedimento sem justa causa.

"Uma fonte credível reportou que funcionários do Governo central chinês acreditam firmemente que a Sands autorizou agentes do FBI/CIA que operassem a partir das suas instalações. Estes agentes aparentemente 'monitorizam funcionários do Governo chinês que jogam nos casinos'", indica o relatório.

"Esta fonte também informou que vários departamentos governamentais da RPC (República Popular da China) relataram haver 'provas' de 'agentes norte-americanos', a operar a partir da Sands, 'atraindo' e ludibriando oficiais do Governo chinês, envolvidos em atividades de jogo para depois os forçar a cooperar com os interesses do Governo dos Estados Unidos".

O investigador, que não é identificado, afirmou que a sua informação tinha por base fontes influentes, incluindo três no gabinete de Pequim responsável pelos assuntos de Macau e de Hong Kong, duas fontes do Ministério dos Negócios Estrangeiros e um poderoso empresário chinês com relações próximas a Pequim.

O relatório não refere se a Sands foi cúmplice da alegada atividade dos serviços secretos norte-americanos, apenas que as autoridades chinesas acreditavam nisso.

A Sands descreveu o relatório como "uma coleção de especulação sem significado", considerando que a narrativa de que figurava como uma "frente" para os esforços das agências de informação norte-americanas soa como "uma ideia para um guião de um filme".

Lusa

  • As crianças e o frio. O que vestir
    1:58

    País

    O médico Pedro Ribeiro da Silva, da Direção-Geral da Saúde, aconselha especial cuidado com as extremidades do corpo - usar luvas e gorros. E demasiado agasalhadas pode levá-as a transpirar mais e, consequentemente, desidratar.

  • Pelo menos 30 mortos e 75 feridos em incêndio e derrocada de edifício em Teerão

    Mundo

    Pelo menos 30 bombeiros morreram esta quinta-feira e cerca de 75 pessoas ficaram feridas em Teerão, quando um edifício de 17 andares ruiu depois de ser consumido pelas chamas, noticiaram os meios de comunicação estatais iranianos. O edifício "Plasco" situa-se no centro da capital iraniana, a norte da zona do mercado.

    Em desenvolvimento

  • Os finalistas do Carro do Ano 2017 são...
    0:53

    Economia

    São sete os escolhidos pelos jurados do Carro do Ano, iniciativa do Expresso e da SIC Notícias. À final chegaram o Citroen C3 Pure Tech, o Hyundai IONIQ Hybrid Tech, da Kia o novo modelo Optima Sportwagon 1.7 CRDi GT Line, o Peugeot 3008 Allure 1.6 BlueHdi, o Renault Mégane Sport Tourer Energy dCI, o SEAT Ateca 1.6 TDI CR Style e ainda o Volvo V90.