sicnot

Perfil

Mundo

Pequim suspeita que CIA colaborou com casinos de Macau para espionagem

O The Guardian divulgou, esta quarta-feira, um relatório "altamente confidencial", datado de junho de 2010, segundo o qual Pequim acreditava que os casinos da norte-americana Las Vegas Sands estariam a trabalhar em conluio com a CIA nos casinos de Macau.

© Tyrone Siu / Reuters

"Muitos dos funcionários [chineses] que contactámos eram da opinião de que agências de inteligência norte-americanas são muito ativas em Macau e que penetraram e utilizaram os casinos norte-americanos para apoiar as suas operações", refere-se no relatório, elaborado por um investigador privado, divulgado no jornal britânico.

A investigação foi encomendada pela Sands China, subsidiária da norte-americana Las Vegas Sands, do magnata Sheldon Adelson, numa altura em que havia preocupações com a crescente hostilidade do Governo da Região Administrativa Especial de Macau relativamente à indústria do jogo em geral e, em particular, face à Sands, escreve o jornal.

O relatório, assinalado com uma advertência de que não podia chegar ao interior da China, foi revelado pelo Programa de Jornalismo de Investigação da Universidade da Califórnia, em Berkeley.

Figura entre o rol de documentos apresentados a tribunal no caso da Las Vegas Sands, que está a ser ouvida no âmbito de uma ação civil interposta por um antigo dirigente seu em Macau, que processou a empresa por despedimento sem justa causa.

"Uma fonte credível reportou que funcionários do Governo central chinês acreditam firmemente que a Sands autorizou agentes do FBI/CIA que operassem a partir das suas instalações. Estes agentes aparentemente 'monitorizam funcionários do Governo chinês que jogam nos casinos'", indica o relatório.

"Esta fonte também informou que vários departamentos governamentais da RPC (República Popular da China) relataram haver 'provas' de 'agentes norte-americanos', a operar a partir da Sands, 'atraindo' e ludibriando oficiais do Governo chinês, envolvidos em atividades de jogo para depois os forçar a cooperar com os interesses do Governo dos Estados Unidos".

O investigador, que não é identificado, afirmou que a sua informação tinha por base fontes influentes, incluindo três no gabinete de Pequim responsável pelos assuntos de Macau e de Hong Kong, duas fontes do Ministério dos Negócios Estrangeiros e um poderoso empresário chinês com relações próximas a Pequim.

O relatório não refere se a Sands foi cúmplice da alegada atividade dos serviços secretos norte-americanos, apenas que as autoridades chinesas acreditavam nisso.

A Sands descreveu o relatório como "uma coleção de especulação sem significado", considerando que a narrativa de que figurava como uma "frente" para os esforços das agências de informação norte-americanas soa como "uma ideia para um guião de um filme".

Lusa

  • Obama diz que Guterres "tem uma reputação extraordinária"
    1:38

    Mundo

    António Guterres diz que vai trabalhar com Barack Obama e também com Donald Trump, na reforma das Nações Unidas. O futuro secretário-geral da ONU foi recebido por Obama, na Casa Branca, onde recebeu vários elogios do presidente norte-americano.

  • Mãe do guarda-redes da Chapecoense comove o Brasil
    1:37
  • Dezenas de mortos em bombardeamentos do Daesh em Mossul

    Daesh

    Dezenas de civis, entre os quais várias crianças, morreram e outros ficaram feridos em ataques de morteiro efetuados pelo grupo extremista Daesh em Mossul, disse à agência Efe o vice-comandante das forças antiterroristas iraquianas.

  • Morreu o palhaço que fazia rir as crianças de Alepo

    Mundo

    Anas al-Basha, mais conhecido como o Palhaço de Alepo, morreu esta terça-feira durante um bombardeamento aéreo na zona dominada pelos rebeldes. O funcionário público mascarava-se de palhaço para ajudar a trazer algum conforto e alegria às crianças sírias, que vivem no meio de uma guerra civil.

  • Tribunal chinês iliba jovem executado há 21 anos

    Mundo

    Nie Shubin foi fuzilado em 1995, na altura com 20 anos, depois de ter sido condenado por violação e assassinato de uma mulher, na cidade de Shijiazhuang. Agora, a justiça chinesa vem dizer que, afinal, o jovem era inocente, uma vez que não foram encontradas provas suficientes para o condenar.