sicnot

Perfil

Mundo

Morreu soldado britânico atingido a tiro no Afeganistão em 2012

Um soldado britânico atingido por disparos há mais de três anos no Afeganistão morreu hoje dos ferimentos, anunciou o Ministério da Defesa (MoD) em Londres.

© Ahmad Masood / Reuters

A morte de Michael Campbell, cerca de nove meses após as forças de combate britânicas terem concluído a sua intervenção de 13 anos contra as forças rebeldes talibans, eleva para 454 o número total de baixas britânicas no conflito no Afeganistão.

O cabo Campbell, do 3.º batalhão da Infantaria de Royal Welsh, morreu no hospital Queen Elizabeth em Birmingham (centro de Inglaterra) na quinta-feira, precisou o MoD.

Campbell, 32 anos, estava em patrulha quando a sua unidade foi atacada por fogo inimigo, sendo atingido com um único tiro no estômago.

As últimas tropas britânicas mortas no Afeganistão incluem cinco homens que não resistiram à queda de um helicóptero em abril de 2014.

Os dados oficiais indicam ainda que a morte do último soldado britânico abatido por fogo inimigo ocorreu em dezembro de 2013.

Lusa

  • Porque é que Melania e Ivanka vestiram preto para conhecer o Papa

    Mundo

    Melania e Ivanka chegaram ao Vaticano de preto, uma escolha muito questionada. De vestidos longos e véus, as mulheres Trump seguiram assim o dress code aconselhado nas audiências com o Papa. Também Michelle Obama usou uma vestimenta do género, em 2009, quando visitou Bento XVI.

  • Escola de Vagos castiga alunos por protesto contra a homofobia e preconceito

    País

    Os alunos da Escola Secundária de Vagos, no distrito de Aveiro, organizaram um protesto contra o que consideram homofobia e preconceito. Segunda-feira, depois de duas alunas se terem beijado foram chamadas à direção da escola, que as terá informado que não podiam beijar-se em público. O protesto foi gravado e partilhado nas redes sociais. Em declarações à SIC Notícias, um dos alunos disse que todos os envolvidos no protesto vão ser alvos de um processo disciplinar. O Bloco de Esquerda já pediu esclarecimentos ao Ministério da Educação.

    EXCLUSIVO

    Rita Pedras