sicnot

Perfil

Mundo

Turquia detém 590 pessoas por ligações ao grupo Estado Islâmico e ao PKK

A polícia turca deteve desde sexta-feira 590 pessoas acusadas de ligações ao grupo jihadista autoproclamado como Estado Islâmico (EI) ou ao Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK), anunciou hoje o primeiro ministro Ahmet Davutoglu.

EPA

Em conferência de imprensa, o governante anunciou que as detenções foram feitas no país por estas pessoas representarem um "perigo potencial".

O primeiro-ministro acrescentou ainda que hoje decorreram novos ataques aéreos contra o EI na Síria e os rebeldes do PKK no norte do Iraque.

"Demos instruções para uma terceira ronda de ataques na Síria e no Iraque. As operações aéreas e terrestres estão a decorrer", adiantou Davutoglu, em Ancara.

O ataque, pela primeira vez, a alvos jihadistas na Síria pelas forças turcas decorreu depois de um ataque suicida, atribuído ao grupo EI, que provocou, na segunda-feira, 32 mortos e cem feridos em Suruç, perto da Síria.

A força aérea turca bombardeou na madrugada de sexta-feira para sábado as bases recuadas do PKK nos montes Kandil, localizados no norte do Iraque.

Desde segunda-feira que o PKK tem repetido ataques contra as forças de segurança porque o ataque de Suruç terá visado jovens militantes próximos da causa curda.

Davutoglu afirmou hoje que a Turquia registou 121 ataques armados e 281 "atos terroristas", incluindo 15 sequestros, desde as eleições legislativas de 07 de junho.

Lusa

  • População ajuda a salvar quartel dos bombeiros das chamas na zona de Viseu
    2:17
  • Temperaturas sobem no fim de semana, risco de incêndio aumenta
    1:08

    País

    A chuva que caiu nos últimos dias não deverá ter impactos relevantes na dominuição da seca e, por isso, o risco de incêndios vai voltar a aumentar com nova subida das temperaturas. Os termómetros podem chegar aos 30 graus entre domingo e quarta-feira.

  • Não me parece o melhor princípio político, mas percebo que António Costa queira ter junto de si, sobretudo em tempos difíceis, os mais próximos. Os homens de confiança pessoal e política. Em plena tempestade, o primeiro-ministro chamou dois amigos de longa data, ex-colegas da Faculdade de Direito, Eduardo Cabrita e Pedro Siza Vieira. E eles não disseram que não.

    Bernardo Ferrão