sicnot

Perfil

Mundo

Subida dos oceanos e fortes chuvas agravam risco de inundações nos EUA

As tempestades que conjugam a subida do nível dos oceanos com precipitações muito fortes tornaram-se mais frequentes nos EUA, onde agravam os riscos de inundação nas cidades costeiras, segundo um estudo revelado hoje na revista Nature Climate Change.

© Brian Snyder / Reuters

O número de acontecimentos que envolvem estes dois fenómenos "cresceu de forma significativa durante o século passado", destaca-se no artigo, recordando-se que em Nova Iorque as condições meteorológicas favoráveis a esta situação têm duas vezes mais hipóteses de ocorrerem hoje do que em meados do século XX.

Até agora, as análises separavam a subida repentina do nível da água dos oceanos e chuvas diluvianas, o que poderia conduzir a uma subestimação do risco de inundação, explicou um dos autores do estudo, Thomas Wahl, da Universidade da Florida do Sul, à AFP.

"O nosso estudo demonstra que os dois principais fatores de inundação não são independentes um do outro, mas ocorrem frequentemente ao mesmo tempo" com um efeito multiplicador, acrescentou.

O furacão Katrina, que em 2005 matou 1.500 pessoas e causou cerca de 75 mil milhões de dólares (68 mil milhões de euros) de estragos no sul dos EUA, mostrou o poder destruidor da subida repentina do oceano.

Seguindo a história das chuvas, marés e furacões, Wahl e os seus coautores mostraram que há uma correspondência cada vez mais acentuada entre chuvas e subida do nível da água do mar desde op início do século XX.

"Porquê? É uma das coisas que queremos estudar", acrescentou.

Os cientistas evocam a hipótese das alterações climáticas. Mas salientam que as subidas repentinas das águas oceânicas durante as tempestades ocorrem para além da lenta elevação do nível do mar, resultante das alterações climáticas.

Enquanto 40 por cento da população dos EUA está instalada em regiões costeiras pouco elevadas, as zonas mais ameaçadas estão no sudeste do país, designadamente no Golfo do México, da ponta sul do Texas até à ponta da Florida, territórios situados a menos de três metros acima do nível do mar.

Lusa

  • "O que mais tem havido nesta altura são respostas precipitadas"
    7:21

    Opinião

    Foi um "debate contigo" o de hoje, no Parlamento, sobretudo no frente-a-frente entre António Costa e Passos Coelho, na opinião de Bernardo Ferrão. O subdiretor de informação da SIC sublinha uma declaração "mortal" do primeiro-ministro, quando este disse que "ninguém quer respostas precipitadas". Por outro lado, a comissão técnica independente pedida pelo PSD pode virar-se contra o próprio partido.

    Bernardo Ferrão

  • NotPetya: Lourenço Medeiros explica o novo ciberataque global
    2:44

    Mundo

    A Ucrânia está a ser seriamente afetada por um novo ataque informático. Algumas empresas de grande dimensão estão a ser prejudicadas, agravando a dimensão global do ataque, o qual não parece ser dirigido a ninguém em concreto. Ontem, nas primeiras horas do ataque, não parava de crescer o número de vítimas.

  • Caricaturas de Trump invadem capital do Irão

    Mundo

    O Irão está a organizar um concurso internacional de caricaturas do Presidente norte-americano Donald Trump. Pelas ruas de Teerão já vão surgindo algumas imagens alusivas ao festival que vai realizar-se no próximo mês de julho.

  • De onde vem o dinheiro de Isabel II?

    Mundo

    A rainha Isabel II vai ser aumentada - pelo exercício das suas funções -, em 2018, para 82,2 milhões de libras (93,5 milhões de euros). Este valor é pago pelo Estado britânico. Contudo, esta não é a única fonte de rendimento da rainha de Inglaterra. Isabel II também recebe pelas terras, casas e empresas que tem espalhadas pelo Reino Unido.

  • Companhia aérea obriga deficiente físico a entrar no avião sem ajuda

    Mundo

    Um homem com uma deficiência física que o obriga a andar numa cadeira de rodas foi obrigado a subir sozinho as escadas de um avião da companhia aérea Vanilla Air. Hideto Kijima deparou-se com a situação quando estava a embarcar da ilha de Amami para Osaka, no Japão, com vários amigos que foram proibidos de o ajudar.