sicnot

Perfil

Mundo

Dentista norte-americano matou leão Cecil no Zimbabué

Um dentista norte-americano foi esta terça-feira identificado como o caçador que matou ilegalmente o leão Cecil, animal mascote do Parque Nacional de Hwange, no Zimbabué, segundo noticia a agência France Presse (AFP).

O leão, um macho de 13 anos célebre pela sua juba negra, foi atraído para fora dos limites do parque e atingido por flechas disparadas por Walter James Palmer, ficando ferido e tentando fugir. (Arquivo)

O leão, um macho de 13 anos célebre pela sua juba negra, foi atraído para fora dos limites do parque e atingido por flechas disparadas por Walter James Palmer, ficando ferido e tentando fugir. (Arquivo)

Youtube

O leão, um macho de 13 anos célebre pela sua juba negra, foi atraído para fora dos limites do parque e atingido por flechas disparadas por Walter James Palmer, ficando ferido e tentando fugir.

O norte-americano terá seguido o animal moribundo durante 40 horas com a ajuda de dois cúmplices - a quem terá pago 50.000 dólares (cerca de 45.200 euros) -, conseguindo finalmente abatê-lo a tiro.

A culpa do dentista foi hoje confirmada pela Associação de Operadores de Safari do Zimbabué, em conferência de imprensa na capital do país, Harare.

"Segundo as informações que temos, parece que ele já teria cometido crimes semelhantes noutros locais", afirmou Emmanuel Fundira, o presidente da associação.

Nem o parque de Hwange nem a polícia confirmam se o indivíduo ainda se encontra no país africano, nem se será julgado.

Os seus dois cúmplices foram, porém, identificados e detidos, devendo comparecer em tribunal na quarta-feira, acusados de caça furtiva.

Walter James Palmer, dentista no estado norte-americano de Minnesota, tinha já sido falado pela imprensa do seu país, mas em tom marcadamente diferente.

Em 2009, o jornal New York Times elogiava a sua perícia no tiro ao arco, sublinhando que Palmer tinha aprendido a usar a arma "aos cinco anos de idade", e que era "capaz de acertar numa carta de jogar a mais de 90 metros de distância".

A página na rede social Facebook do seu consultório dentário foi apagada, após ser alvo de numerosos comentários de internautas indignados.

"O mais triste de tudo isto, agora que Cecil está morto, é que o leão que o substitui no topo da hierarquia, Jericho, vai provavelmente matar todas as crias de Cecil, como mandam as regras sociais naturais entre os leões", declarou um porta-voz da organização não-governamental Zimbabwe Conservation Task Force (ZCTF), dedicada à preservação da vida selvagem do país.

No Zimbabué, a caça só é permitida em reservas privadas e só até certas quotas, e é totalmente proibida nos parques nacionais como o de Hwange, que no ano passado recebeu cerca de 50.000 visitantes, 23.000 dos quais estrangeiros.

Lusa

  • Passos explica porque se irritou com Costa
    0:42

    Economia

    Depois das imagens em que surgiu visivelmente irritado com António Costa, no último debate quinzenal, Passos Coelho veio agora explicar porquê. Na discussão com o primeiro-ministro, o líder do PSD não gostou que Costa tivesse insinuado que a fuga de 10 mil milhões de euros para offshores tenha ocorrido por inação do Governo anterior.

  • Ferro Rodrigues desvaloriza críticas do CDS
    3:24

    Caso CGD

    Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de receber em público Ferro Rodrigues antes de um almoço com o presidente da Assembleia da República. O Presidente também recebeu a representante do CDS-PP, Assunção Cristas, que foi apresentar queixa de Ferro Rodrigues e da maioria de esqueda em relação à comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos. Ferro Rodrigues desvalorizou as críticas.

  • Luaty Beirão agredido em manifestação em Luanda
    1:27

    Mundo

    Luanda tem sido palco de várias manifestações contra a forma como está a decorrer o processo eleitoral em Angola. Esta sexta-feira, uma dessas manifestações acabou em confrontos com as autoridades. Entre os manifestantes estava o ativista Luaty Beirão.

  • Regime de Pyongyang nega envolvimento na morte de Kim Jong-nam 
    1:53

    Mundo

    A polícia da Malásia diz que o irmão do líder da Coreia do Norte foi morto com uma arma química. Os investigadores encontraram vestígios de gás VX no corpo de Kim Jong-nam, um gás letal proibido pelas convenções internacionais. O Governo da Coreia do Sul pediu esta sexta-feira ao regime de Pyongyang que admita que está por detrás da morte de Kim Jong-nam mas o mesmo já veio negar o envolvimento no assassinato.