sicnot

Perfil

Mundo

Fortes chuvas no norte da Índia causam 85 mortos

Pelo menos 85 pessoas morreram e cerca de oito milhões foram afetados pelas fortes chuvas que assolam o norte da Índia, afirmaram hoje fontes oficiais.

© Jitendra Prakash / Reuters

A maioria dos mortos registou-se no estado do nordeste de Bengala, onde 48 pessoas faleceram em consequência de derrocadas, afogamentos e quedas de raios, segundo um comunicado divulgado pelo Ministério do Interior indiano.

Das pessoas afetadas pela intempérie, 3,7 milhões concentram-se em 9.700 povoações da demarcação administrativa de Bengala.

As fortes chuvas devem-se à depressão criada pelo ciclone Komen, que chegou na sexta-feira ao vizinho Bangladesh.

No estado norte-oriental de Manipur, 20 pessoas morreram no sábado na sequência de um desprendimento de terras, que destruiu 12 casas, deixando um único sobrevivente.

As intensas chuvas atingiram igualmente quatro milhões de pessoas no estado de Gujarat e provocaram 17 mortos nos estados de Rajastão e Odisha, tendo afetado centenas de milhares de pessoas.

O Governo indiano prevê, para as próximas 24 horas, precipitação forte ou muito forte em vários pontos do país.

Em comunicado, o Presidente da Índia, Pranab Mukherjee, lamentou a perda de vidas humanas e os danos materiais causados e endereçou uma mensagem de pêsames às famílias enlutadas.

As inundações são frequentes no sudeste asiático na época das monções, entre junho e setembro.

Há dois anos, em junho, fortes chuvas provocaram 580 mortos e 5.700 desaparecidos no estado indiano do Uttarakhand.

Lusa

  • Como se sobrevive à dor em Nodeirinho e Pobrais
    2:43
  • Raphäel Guerreiro vai continuar a acompanhar a seleção
    1:08
  • 74 mil alunos do secundário têm a vida "suspensa" 
    2:22

    País

    Enquanto o Ministério Público investiga a fuga de informação no exame nacional de Português do 12.º ano, 74 mil estudantes ficam com a vida suspensa. Se a fuga se confirmar, o exame corre o risco de ser anulado e as candidaturas ao ensino superior atrasam. O Instituto de Avaliação Educativa (IAVE), responsável pelos exames, prometeu esclarecimentos para os próximos dias.