sicnot

Perfil

Mundo

Jon Stewart apresenta quinta-feira o seu último 'Daily Show'

O humorista norte-americano Jon Stewart apresentará, na quinta-feira, a sua última emissão televisiva satírica do programa 'Daily Show', ao fim de mais de 16 anos a informar e fazer rir parte da América.

O conteúdo e os convidados da sua última emissão permanecem em segredo, mas o programa deverá durar uma hora, o dobro do habitual.

O conteúdo e os convidados da sua última emissão permanecem em segredo, mas o programa deverá durar uma hora, o dobro do habitual.

Evan Vucci / AP

O Presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, não o queria ver deixar o programa, assim como os seus fãs, noticia a agência AFP.

O conteúdo e os convidados da sua última emissão permanecem em segredo, mas o programa deverá durar uma hora, o dobro do habitual.

"Que as coisas fiquem claras, eu não estou a morrer", brincou recentemente Jon Stewart, enquanto centenas de milhares de fãs se perguntam como vão suportar a novela da campanha presidencial sem a sua visão sarcástica da atualidade política.

Ao longo dos anos, Jon Stewart, nova-iorquino de 52 anos, "engraçado, cruel e resolutamente de esquerda", conseguiu um lugar único no panorama do audiovisual americano, força de influência da política, do jornalismo e do entretenimento, segundo a AFP.

O telejornal de paródia, 'Daily Show', concentra informações do dia, analisa e decifra declarações de políticos e outros responsáveis, troça das improváveis coberturas informativas televisivas, incluindo da Fox News e da CNN, e denuncia a hipocrisia e estupidez, afirma a AFP.

Além disto, um convidado por dia foi submetido às perguntas de Jon Stewart.

O programa foi assistido, em média, por 1,3 milhões de americanos por dia, e por mais outras centenas de milhares que assistiam na internet, particularmente jovens, que muitas vezes evitam a política e não assistem aos noticiários.

Ao longo dos anos, as críticas renderam-lhe muitos inimigos.

Em fevereiro passado, Jon Stewart confidenciou que precisava "de mais flexibilidade", explicando que o 'Daily Show' o impedia de ver os seus dois filhos de 11 e 9 anos.

Depois de fazer o filme 'Rosewater' em 2013, adaptado da história do jornalista Maziar Bahari, Jon Stewart não descarta voltar ao teatro de 'stand-up', com o qual começou nos anos 1980, depois de se licenciar em psicologia.

O 'Daily Show' ganhou 22 Emmy Awards e dois Peabody Awards e, em setembro, passará a ser apresentado pelo comediante sul-africano Trevor Noah.

Lusa

  • “Génio da comédia” vai deixar “The Daily Show”
    3:14

    Cultura

    Jon Stewart vai deixar o programa “The Daily Show”. O famoso comediante anunciou ontem que até ao final do ano irá sair do programa satírico. "Ele é um génio da comédia, generoso com seu tempo e talento, e será sempre parte da família Comedy Central", referiu o canal em comunicado.

  • Obama despede-se de Jon Stewart no Daily Show
    2:51

    Mundo

    O Presidente dos Estados Unidos disse ontem que o Irão é um adversário mas não se fazem as pazes com os amigos. Uma conversa séria num tom ligeiro na última entrevista de Barack Obama ao Daily Show com Jon Stewart.

  • "A banca parece que não aprendeu nada com a bolha imobiliária de 2008"
    3:23

    Opinião

    O Governo quer limitar a venda de produtos financeiros pelos bancos. Está no parlamento uma proposta de lei que penaliza as más práticas comerciais e tenta proteger os clientes, evitando abusos e encargos excessivos e obrigando os bancos a prestarem-lhes mais informação. A proposta prevê ainda que seja dada mais formação aos funcionários. Miguel Sousa Tavares considera a decisão do Governo acertada uma vez que protege os interesses dos clientes. O comentador da SIC faz ainda referência ao ano 2008, início da crise no ramo imobiliário por "culpa dos credores".

    Miguel Sousa Tavares

  • PSP apreende 11 armas e 700 quilos de droga
    0:59

    País

    A PSP recuperou mais três das 57 pistolas Glock que foram dadas como desaparecidas da Direção Nacional da Polícia de Segurança Pública, há mais de um ano. As armas foram apreendidas na última madrugada durante uma operação de combate ao tráfico de estupefacientes. Três pessoas foram detidas. Além das três Glock que pertenciam à PSP, foram aprendidas mais 11 armas e 700 quilos de droga.

  • Deputados pedem medidas urgentes para travar exploração de urânio junto à fronteira
    3:06

    País

    Um projeto de exploração de urânio no município de Retortilho em Salamanca, a cerca de 40 quilómetros da fronteira portuguesa, está a causar preocupação nos dois países. Portugueses e espanhóis temem o risco de contaminação por via aérea e fluvial. Deputados portugueses visitaram o local, onde pediram medidas firmas e urgentes ao Governo para travar o projeto. As autoridades de Espanha não acionaram o mecanismo de avaliação ambiental partilhada.

  • Trump desafia Oprah a candidatar-se para ser "derrotada como todos os outros"

    Mundo

    Apesar de Oprah Winfrey ter excluído uma eventual candidatura às eleições presidenciais dos Estados Unidos da América, Donald Trump ainda não se esqueceu dos rumores e desafiou a apresentadora a candidatar-se em 2020. Através do Twitter, o Presidente norte-americano disse ainda que assim poderia ser "exposta e derrotada como todos os outros".

    SIC

  • Mulher enterrada viva no Brasil
    1:13

    Mundo

    Uma mulher de 37 anos terá sido enterrada viva no oeste da Bahia, no Brasil. A certidão de óbito aponta um choque séptico como a causa da morte, mas os ferimentos com que foi encontrada no interior do caixão indicam um possível erro. Os moradores de casas vizinhas do cemitério municipal onde Rosângela dos Santos foi enterrada ouviram gritos vindos do túmulo.

  • "Os Estados Unidos são uma sociedade de pistoleiros"
    3:47

    Opinião

    Donald Trump admite regras mais apertadas para quem compra armas, isto após o tiroteio numa escola da Florida que fez 17 mortos. Miguel Sousa Tavares defende que os Estados Unidos da América são "uma sociedade de pistoleiros" e diz que a Associação Nacional de Rifles "gasta muito dinheiro" para conseguir que as leis não sejam mudadas no Senado.

    Miguel Sousa Tavares