sicnot

Perfil

Mundo

Há uma ligação entre genética e preferência política

Um estudo publicado terça-feira na revista Royal Society britânica destaca uma ligação entre a genética e as preferências políticas.

O plenário do Parlamento Europeu, em Estrasburgo.

O plenário do Parlamento Europeu, em Estrasburgo.

© Vincent Kessler / Reuters

Durante vários anos, a ideia de que fatores biológicos como os genes podem influenciar as nossas ideias políticas apaixonou e dividiu politólogos, psicólogos e o grande público.

De esquerda, direita, conservador ou liberal(...) e se tudo nos for passado pelos nossos pais? A maioria dos nossas características, tais como a cor da pela, tamanho, depende do nosso genoma. E se houvesse um gene do voto à esquerda ou à direita?, questiona o estudo, feito pela Universidade de Singapura.

Foi exatamente para tentar responder àquelas questões que Richard P. Ebstein, da Universidade de Singapura, e colegas estudaram o genoma de 1.771 alunos da sua universidade pertencentes ao grupo étnico Han, principal da China (para terem um grupo geneticamente similar).

Para já, o estudo conseguiu evidenciar uma ligação entre uma variante genética e ideias políticas.

Segundo os investigadores, o gene DRD4, que desempenha um papel na transmissão da dopamina, pode ser envolvido nas nossas escolhas políticas e, particularmente, nas mulheres.

A dopamina afeta as funções neurológicas, como a memória aprendizagem e criatividade.

As nossas afinidades políticas podem assim estar relacionadas com a variação daquele gene.

Dezenas de estudos anteriores tinham estabelecido uma forte ligação entre opinião política e alguns traços de personalidade.

Assim, os conservadores tendem a gostar de ordem e de uma vida estruturada e são mais coerentes na forma como tomam decisões. Os liberais mostram maior tolerância com a ambiguidade e complexidade e adaptam-se mais facilmente a circunstâncias inesperadas.

O estudo salienta, contudo, que as tendências políticas também dependem de fatores conjunturais e educacionais.

"Todos aqueles fatores devem ser tidos em conta para compreender sensibilidades políticas", afirmam os pesquisadores, sublinhando que a "biologia não deve ser ignorada".

Lusa

  • Marcar cedo e resistir (ou como Portugal venceu Marrocos)

    Mundial 2018 / Portugal

    A seleção nacional alcançou hoje a primeira vitória no Mundial 2018, frente a Marrocos, em Moscovo. Cristiano Ronaldo (outra vez) marcou logo aos quatro minutos. Depois, Portugal pouco mais fez senão aguentar as investidas dos marroquinos, que ficam desde já afastados dos oitavos de final.

  • Fernando Santos dá um puxão de orelhas à equipa
    1:57
  • E vão quatro de Ronaldo
    1:58
  • Ronaldo, o motivador
    3:23
  • Os "memes" do desempenho de Cristiano Ronaldo frente a Marrocos
    1:25
  • Cristiano Ronaldo: o melhor do jogo, o melhor do Mundial, o melhor do mundo

    Mundial 2018 / Portugal

    Apesar da prestação de Rui Patrício na defesa da baliza lusa, Cristiano Ronaldo foi eleito o homem do jogo, pela segunda vez consecutiva, depois de marcar o golo que deu a vitória a Portugal frente a Marrocos. O capitão português ofereceu à equipa os três pontos essenciais para a eventual passagem aos oitavos de final. Mas Ronaldo não fica por aqui. Contas feitas, CR7 é o melhor marcador do Mundial (4 golos em 2 jogos) e já marcou 85 golos por Portugal, feito nunca antes alcançado nem por Eusébio nem por Pauleta. No auge dos 33 anos, há quem diga que Ronaldo "é como o vinho do Porto". Será que ainda vai chegar à marca dos 100? Parece que, para o CR7, nada é impossível.

  • Parecia que Rui Patrício tinha cola nas luvas
    5:40
  • Os momentos descontraídos dos jogadores que estão no Mundial
    1:54
  • Selecionador de Marrocos queixa-se da arbitragem
    1:41
  • Georgina Rodriguez assistiu ao jogo de Portugal e acenou a Ronaldo
    1:05
  • Ronaldo no País dos Sovietes: O humor russo
    1:32
  • Schulz responde a Trump: "é um especialista em estatísticas criminais"

    Mundo

    "Donald Trump é um especialista em estatísticas criminais: pagamentos a estrelas porno, contactos ilegais com russos e diretores de campanha presos". Foi assim que o deputado alemão Martin Schulz respondeu ao Presidente norte-americano, depois de este ter afirmado várias vezes que a criminalidade na Alemanha aumentou devido à imigração.

    SIC

  • "Vou pedir a alguém que dê esta notícia por mim". Jornalista emociona-se com o caso dos bebés mexicanos separados das famílias
    0:49