sicnot

Perfil

Mundo

Escócia proíbe cultivo de produtos geneticamente modificados

A Escócia vai proibir o cultivo de Organismos Geneticamente Modificados (OGM) no seu território, para preservar o seu território "verde e limpo", disse hoje o ministro dos Assuntos Rurais, Richard Lochhead.

Muro de Adriano, que separa a Escócia da Inglaterra.

Muro de Adriano, que separa a Escócia da Inglaterra.

© Toby Melville / Reuters

Segundo uma nota do ministério em comunicado, o Governo escocês baseou-se nas novas regras europeias que permitem que os países recusem individualmente "culturas geneticamente modificadas autorizadas pela União Europeia".

"Não temos nenhuma prova de que os consumidores prefiram produtos geneticamente modificados e preocupa-me que a permissão do cultivo transgénico na Escócia pudesse trazer prejuízos para a nossa imagem de país limpo e verde, pondo em causa o futuro do setor de alimentos e bebidas, que vale 14.000 milhões de libras", afirmou Richard Lochhead, nessa nota citada pela agência AFP.

De acordo com uma decisão do Parlamento Europeu de janeiro, todos os países da União Europeu podem apresentar razões socioeconómicas, ambientais e de ordenamento do território para se oporem a OGM no seu território.

O Governo britânico é favorável às culturas geneticamente modificadas, mas as políticas agrícolas estão descentralizadas e, portanto, são decididas pelos governos autónomos.

Lusa

  • Hasta pública de madeira ardida rendeu 2,85 milhões de euros

    País

    Mais de meia centena de lotes de madeira ardida proveniente de matas nacionais e perímetros florestais geridos pelo Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) foram esta quinta-feira vendidos por 2,85 milhões de euros, numa hasta pública em Viseu.

  • Manifestações de apoio aos pais de Alfie impedidos de o levar para Itália
    3:03

    Mundo

    A justiça britânica rejeitou um novo recurso dos pais do bebé Alfie, que está em estado semivegetativo. O objetivo era levar o menino para Itália, para ser assistido numa unidade pediátrica no Vaticano. Os pais não querem que as máquinas sejam desligadas, mas os médicos defendem que os tratamentos são inúteis.