sicnot

Perfil

Mundo

Papa diz que bombas atómicas são alerta permanente para a Humanidade

Papa diz que bombas atómicas são alerta permanente para a Humanidade

O Papa Francisco disse este domingo que as bombas atómicas de Hiroshima e Nagasaki são um alerta permanente para a humanidade rejeitar de vez a guerra. O Sumo Pontífice assinalou os 70 anos do trágico bombardeamento no Japão e, perante milhares de pessoas na praça de São Pedro, no Vaticano, defendeu que a única forma de vencer uma guerra é recusar fazê-la. O Papa referiu-se a Hiroshima e Nagasaki como exemplos de um uso errado da ciência e da tecnologia pelo Homem.

  • Sinos em Hiroshima tocaram à hora do bombardeamento atómico há 70 anos
    2:03

    Mundo

    Dia 6 de Agosto. Há 70 anos a humanidade despertava para a era atómica. Na cidade japonesa de Hiroshima estão a decorrer as cerimónias dos 70 anos do lançamento da primeira bomba atómica que atingiu o país. Esta manhã foi feito um minuto de silêncio pelas vítimas à hora exata a que foi lançada a primeira bomba pelo avião norte-americano Enola Gay.Durante a noite, cerca de duas centenas de pessoas marcharam pelas ruas da cidade com lanternas de papel.

  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.