sicnot

Perfil

Mundo

Italiana reencontra filha que lhe foi tirada durante a II Guerra

Uma italiana de 92 anos reencontrou a sua filha, alemã de 71 anos, que lhe foi retirada à nascença no final da Segunda Guerra Mundial, divulgou hoje a imprensa local.

© Reuters Photographer / Reuter

Originária da aldeia de Novellara, na região de Emília-Romanha, norte de Itália, a mulher foi enviada para trabalhar na Alemanha e ficou grávida em 1944 de um soldado alemão casado.

A família do soldado retirou-lhe a criança à nascença, mas a jovem italiana que regressou a casa no final da guerra, manteve sempre a esperança de voltar a encontrar a filha, que recebeu o nome de Margot Bachmann, refere o jornal Il Quotidiano.

Margot Bachmann tinha conhecimento de que a mãe era italiana, mas pensava que já tinha morrido.

Em 2014, depois da morte do pai, Margot Bachmann, já septuagenária, recorreu a um centro alemão de documentação sobre a guerra, o Serviço Internacional de Rastreio (ITS na sigla inglesa), para tentar saber mais sobre a sua mãe.

Com a ajuda da Cruz Vermelha italiana, o ITS descobriu que a mãe de Margot Bachmann ainda se encontrava viva, tendo as duas mulheres conseguido reunir-se este fim-de-semana em Novellara.

"Quando comecei a procurar saber um pouco mais, nunca imaginei que viria a abraçar a minha mãe um dia", disse Bachmann ao Il Quotidiano.

"O meu pai proibiu-me de a procurar, mas depois da sua morte e com a ajuda preciosa da minha própria filha, voltei a fazê-lo", acrescentou.

O reencontro "foi um pequeno milagre", afirmou a porta-voz da Cruz Vermelha italiana Laura Bastianetto, que testemunhou a reunião.

"É raro que uma mãe e uma filha se reencontrem após 71 anos", acrescentou, salientando que isso acontece mais frequentemente entre irmãos.

Lusa

  • "É preciso despartidarizar o sistema de Proteção Civil", diz Duarte Caldeira
    2:47
  • Homem morreu ao tentar salvar animais das chamas
    2:30
  • Arcebispo de Braga pede responsabilidades pelos incêndios
    1:40

    País

    Braga também sofreu um dos mais violentos incêndios dos últimos anos. O fogo descontrolado atravessou várias freguesias e destruiu duas empresas. A igreja, pela voz do arcebispo de Braga, pede ação e o apuramento de responsabilidades, face a esta calamidade.

  • "Estou a ficar sem água, vai ser um trabalho inglório"
    1:06