sicnot

Perfil

Mundo

Venezuela acusa EUA de colocar "funcionários chave" em Caracas para sabotar o seu Governo

O Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, acusou, na segunda-feira, os Estados Unidos de colocarem "funcionários chave" na Embaixada norte-americana em Caracas para conspirar contra o seu Governo e promover uma "economia de violência".

© Handout . / Reuters

"Tenho provas de que o Comando Sul tem colocado funcionários chave na embaixada dos EUA na Venezuela para dirigir o plano abutre de sabotagem para uma economia de violência", disse.

Nicolás Maduro falava durante uma reunião extraordinária do Conselho Político da Aliança Bolivariana para os Povos da América - Tratado de Comércio dos Povos, que decorreu em Caracas, com a participação dos ministros de Relações Exteriores de 11 países da América do Sul e Caraíbas.

O Presidente venezuelano anunciou que nos próximos dias será criada uma comissão especial, venezuelana, que se reunirá com o Governo norte-americano para apresentar as provas da sua denúncias.

"Eles quereriam que estas tentativas de sabotagem terminassem em golpes de Estado (...) estou seguro que as coisas apontam para isso, pela brutalidade com que nos arremetem, articulando grupos criminosos, atacando a economia, a moeda, a partir de dentro e de fora (do país), atacando o povo, gerando grupos de ultradireita", sublinhou.

Segundo Nicolás Maduro, os ataques à Venezuela fazem parte de "uma conspiração global contra os processos progressistas e revolucionários da América Latina e das Caraíbas".

Lusa

  • Marine devolve bandeira do Japão 73 anos depois 
    2:13

    Mundo

    Setenta e três anos depois da batalha mais sangrenta do Pacífico, um veterano dos Estados Unidos cumpriu uma promessa pessoal. Marvin Strombo devolveu à família a bandeira da sorte de um soldado japonês, morto em 1944, em Saipan, na II Guerra Mundial. 

  • Autoridades usam elefantes para resgatar pessoas das cheias na Ásia
    1:31

    Mundo

    Mais de 215 pessoas morreram nas inundações que estão a devastar o centro da Ásia, e estima-se que três milhões tiveram de abandonar as casas. As autoridades estão a usar elefantes para resgatar locais e turistas das zonas mais afetadas e avisam que há dezenas de pessoas desaparecidas.