sicnot

Perfil

Mundo

Venezuela acusa EUA de colocar "funcionários chave" em Caracas para sabotar o seu Governo

O Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, acusou, na segunda-feira, os Estados Unidos de colocarem "funcionários chave" na Embaixada norte-americana em Caracas para conspirar contra o seu Governo e promover uma "economia de violência".

© Handout . / Reuters

"Tenho provas de que o Comando Sul tem colocado funcionários chave na embaixada dos EUA na Venezuela para dirigir o plano abutre de sabotagem para uma economia de violência", disse.

Nicolás Maduro falava durante uma reunião extraordinária do Conselho Político da Aliança Bolivariana para os Povos da América - Tratado de Comércio dos Povos, que decorreu em Caracas, com a participação dos ministros de Relações Exteriores de 11 países da América do Sul e Caraíbas.

O Presidente venezuelano anunciou que nos próximos dias será criada uma comissão especial, venezuelana, que se reunirá com o Governo norte-americano para apresentar as provas da sua denúncias.

"Eles quereriam que estas tentativas de sabotagem terminassem em golpes de Estado (...) estou seguro que as coisas apontam para isso, pela brutalidade com que nos arremetem, articulando grupos criminosos, atacando a economia, a moeda, a partir de dentro e de fora (do país), atacando o povo, gerando grupos de ultradireita", sublinhou.

Segundo Nicolás Maduro, os ataques à Venezuela fazem parte de "uma conspiração global contra os processos progressistas e revolucionários da América Latina e das Caraíbas".

Lusa

  • À redescoberta da Madeira, 16 anos depois
    1:59
  • Esquerda contra a venda do Novo Banco
    1:51

    Economia

    O futuro do Novo Banco promete agitar a maioria de esquerda nas próximas semanas. O Bloco de Esquerda e o PCP estão contra os planos de privatização e insistem que a solução é nacionalizar o banco. O Bloco de Esquerda defende que privatizar 75% é o pior de dois mundos. Já o PCP diz que o banco deve ser integrado no setor público.

  • Identificadas 10 mil vítimas de violência em 2016
    1:32

    País

    Há cada vez mais homens e idosos a pedirem ajuda à Associação Portuguesa de Apoio à Vítima. Segundo o relatório anual da APAV conhecido esta segunda-feira, foram identificadas quase 10 mil vítimas de violência no ano passado. Cerca de 80% são mulheres casadas e com cerca de 50 anos.