sicnot

Perfil

Mundo

Wikileaks oferece 100 mil euros por informações sobre acordo de comércio UE-EUA

A Wikileaks lançou hoje uma campanha de financiamento coletivo ('crowdfunding') de uma recompensa de 100.000 euros para quem fornecer informações privilegiadas sobre o acordo de comércio livre entre a União Europeia e os Estados Unidos.

Ao princípio da tarde, a organização, que em 2010 fez primeiras páginas em todo o mundo com a divulgação de milhares de documentos diplomáticos confidenciais norte-americanos, já tinha conseguido angariar 20% do montante pedido.

Entre os doadores figura o ex-ministro das Finanças grego Yanis Varoufakis, a estilista e ativista ambiental britânica Vivienne Westwood, o jornalista norte-americano Glenn Greenwald e o fundador do portal Wikileaks Julian Assange.

Centenas de manifestações realizaram-se em abril em várias cidades europeias contra a celebração da Parceria Transatlântica de Comércio e Investimento, conhecida pela sigla TTIP, do inglês "Transatlantic Trade and Investment Partnership".

"O TTIP, que está atualmente a ser negociado entre os EUA e a União Europeia, é mantido em absoluto segredo pelos negociadores (mas) foi dado às grandes empresas acesso privilegiado" aos documentos, afirma Assange num comunicado. "O público não pode lê-los", acrescenta.

"Hoje, a Wikileaks está a tomar medidas para garantir que os europeus podem finalmente ler o monstruoso acordo de comércio", prossegue, afirmando que "o secretismo do TTIP lança uma sombra sobre o futuro da democracia europeia" e favorece "interesses especiais".

"O TTIP afeta a vida de cada europeu e arrasta a Europa para um conflito a longo prazo com a Ásia. É altura de acabar com o seu secretismo", afirma.

A ser concluído, o TTIP será o maior acordo comercial do mundo, fazendo a ligação entre cerca de 60% da produção económica global e um mercado de 850 milhões de consumidores.

Lusa

  • Turistas chegam a esperar 2 horas no controlo de passaporte do Aeroporto de Lisboa
    2:35

    País

    Chegar ao Aeroporto de Lisboa pode ser uma dor de cabeça para centenas de passageiros. A espera para o controlo de passaporte chegou a ultrapassar as duas horas nos meses de fevereiro e março. Manuela Niza, do Sindicato dos Funcionários do Serviços de Estrangeiros e Fronteiras, diz que têm sido contratados inspetores que depois são desviados para outros serviços.

  • Hasta pública de madeira ardida rendeu 2,85 milhões de euros

    País

    Mais de meia centena de lotes de madeira ardida proveniente de matas nacionais e perímetros florestais geridos pelo Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) foram esta quinta-feira vendidos por 2,85 milhões de euros, numa hasta pública em Viseu.

  • "Dinheiro gasto em contentores dava para construir outro hospital" no Porto
    1:40

    País

    A bastonária dos Enfermeiros pede uma investigação aos contratos de contentores no Hospital de São João, no Porto. Ana Rita Cavaco diz que os "milhares de euros" já gastos na contratação e manutenção dos contentores da Pediatria e outros serviços do centro Hospitalar de São João davam para construir um novo hospital. E levanta ainda a suspeita sobre a empresa contratada.