sicnot

Perfil

Mundo

Astrónomos descobrem planeta a 100 anos de luz de distância

Astrónomos descobriram um planeta a 100 anos de luz de distância, parecido com Júpiter há biliões de anos e que pode dar novas informações sobre como os planetas se formam, refere um estudo publicado hoje na revista Science.

© NASA NASA / Reuters

Conhecido como 51 Eridani b, o planeta é o primeiro a ser detetado por um novo instrumento, denominado Gemini Planet Imager, segundo a revista.

É "o primeiro planeta jovem, que provavelmente se parece com Júpiter há bilhões de anos, tornando-se no nosso principal quebra-cabeças da formação de planetas", disse Travis Barman, professor associado de Ciências Planetárias da Universidade do Arizona.

A estrela que orbita, a 51 Eridani, tem apenas 20 milhões de anos, bastante jovem, considerando que o Sol tem cerca de 4,5 bilhões de anos.

Envolto em metano, o planeta tem cerca de duas vezes a massa de Júpiter -- o maior planeta do nosso sistema solar -- e tem o metano mais forte alguma vez detetado na atmosfera de um planeta alienígena.

A temperatura do planeta deverá rondas os 427 graus Celsius, o suficiente para derreter chumbo.

"Este é exatamente o tipo de planeta que queríamos descobrir quando projetamos o Gemini Planet Imager", disse James Graham, da Universidade da Califórnia, professor de astronomia que projetou aquele instrumento.

"Queríamos encontrar planetas enquanto são jovens, para que possamos descobrir o processo de formação", disse.

O Gemini Planet Imager foi projetado para descobrir novos planetas a orbitar estrelas.

O instrumento é aproximadamente do tamanho de um carro pequeno e está montado num espaço de cerca de oito metros no Chile, tendo começado a trabalhar em dezembro de 2014.

Uma missão separada da NASA, conhecida como o telescópio espacial Kepler, procura planetas através do estudo de estrelas. O principal objetivo do Kepler é encontrar planetas como a Terra e possam ser capazes de sustentar vida.

Lusa

  • Plutão vai continuar a ser o planeta anão
    2:08

    Mundo

    Chamam-lhe o planeta anão, mas afinal não é tão pequeno quanto parece. Plutão tem mais 80 quilómetros do que previam os cientistas e um diâmetro cerca de 2.370 quilómetros. Vales, falésias e montanhas com três mil 500 metros cobertas de gelo. Apesar das descobertas da sonda New Horizons, Plutão vai continuar a ser um planeta anão. Isto porque, segundo os cientistas, são necessários três critérios para ser considerado um Planeta.

  • Incêndio de Setúbal "quase dominado"
    4:04

    País

    O incêndio que deflagrou segunda-feira em Setúbal está "quase dominado", segundo informações da presidente da Câmara. Maria das Dores Meira diz que não há feridos a registar e que os habitantes já vão regressando a casa. Para ajudar no combate ao fogo foram enviados meios de Lisboa.

  • "Lancei um tema que os portugueses há muito queriam discutir"
    11:26
  • Danos Colaterais 
    18:55
    Reportagem Especial

    Reportagem Especial

    Jornal da Noite

    Nos últimos oito anos a banca perdeu 12 mil profissionais. A dimensão de despedimentos no setor é a segunda maior da economia portuguesa, só ultrapassada pela construção civil. A etapa mais complexa da história começou em 2008, com a nacionalização do BPN. Desde então, as saídas têm sido a regra. A reportagem especial desta terça-feira, "Danos Colaterais", dá voz aos despedidos da banca.