sicnot

Perfil

Mundo

Primeiro-ministro turco admite eleições antecipadas como "fortemente prováveis"

O primeiro-ministro islamita-conservador turco, Ahmet Davutoglu, anunciou esta quinta-feira o falhanço das negociações com a oposição para formar um governo de coligação e admitiu um cenário de eleições antecipadas como "fortemente provável".

O primeiro-ministro islamita-conservador turco, Ahmet Davutoglu. (Arquivo)

O primeiro-ministro islamita-conservador turco, Ahmet Davutoglu. (Arquivo)

© Umit Bektas / Reuters

"Não conseguimos assegurar uma base propícia para a formação de um governo", disse aos 'media' em Ancara, no final da última reunião no parlamento com o líder do Partido Republicano do Povo (CHP, social-democrata), e principal força da oposição.

Num contexto político muito incerto, a libra turca caiu 2 por cento face ao dólar nos mercados financeiros.

"São fortemente prováveis eleições antecipadas", declarou, considerando esta decisão a "única opção" para o país e considerando que a opinião pública turca está preparada para essa eventualidade.

Davutoglu pronunciou-se após um encontro com Kemal Kliçdaroglu, o líder do CHP e a única formação com representação parlamentar que tinha admitido uma aliança com o Partido da Justiça e do Desenvolvimento (AKP, proveniente do islamismo político e no poder desde 2002).

"O AKP será o mais beneficiado com eleições antecipadas", sugeriu Davutoglu, apesar deste partido ter perdido a maioria absoluta nas legislativas de 07 de junho, quando obteve perto de 40% dos votos.

A crise política na Turquia coincide com o início de uma ofensiva militar da Turquia em duas frentes desencadeada em julho em duas frentes, dirigida contra a rebelião curda do Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK) no sudeste turco e norte do Iraque, e contra o grupo Estado Islâmico na Síria.

De acordo com os críticos do Presidente Recep Tayyp Erdogan, ex-primeiro-ministro e que permanece o "homem forte" do país, a ofensiva contra o PKK destina-se a mobilizar o eleitorado nacionalista e tentar afastar da cena política o Partido Democrático dos Povos (HDP), uma formação pró-curda e da esquerda turca, que ao obter 13% dos votos em 7 de junho e eleger 80 deputados retirou a maioria absoluta que o AKP garantia há 13 anos.

Lusa

  • Turcos saúdam fim da maioria do partido de Erdogan
    1:13

    Mundo

    Os resultados das legislativas na Turquia tiveram um efeito imediato na bolsa de Istambul e na moeda turca. O partido islamita AKP do Presidente turco venceu as eleições legislativas, mas não conseguiu a maioria. Os resultados dão apenas 41% dos votos ao partido de Recep Tayyip Erdogan. O mercado bolsista caiu mais de 6% e a libra turca atingiu um mínimo histórico face ao euro e ao dólar. O banco central turco foi obrigado a descer as taxas de juro para os depósitos em moeda estrangeira para travar a descida da libra turca. Para muitos turcos, a perda da maioria do partido de Erdogan é o fim de uma era.

  • Passos explica porque se irritou com Costa
    0:42

    Economia

    Depois das imagens em que surgiu visivelmente irritado com António Costa, no último debate quinzenal, Passos Coelho veio agora explicar porquê. Na discussão com o primeiro-ministro, o líder do PSD não gostou que Costa tivesse insinuado que a fuga de 10 mil milhões de euros para offshores tenha ocorrido por inação do Governo anterior.

  • Ferro Rodrigues desvaloriza críticas do CDS
    3:24

    Caso CGD

    Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de receber em público Ferro Rodrigues antes de um almoço com o presidente da Assembleia da República. O Presidente também recebeu a representante do CDS-PP, Assunção Cristas, que foi apresentar queixa de Ferro Rodrigues e da maioria de esqueda em relação à comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos. Ferro Rodrigues desvalorizou as críticas.

  • Luaty Beirão agredido em manifestação em Luanda
    1:27

    Mundo

    Luanda tem sido palco de várias manifestações contra a forma como está a decorrer o processo eleitoral em Angola. Esta sexta-feira, uma dessas manifestações acabou em confrontos com as autoridades. Entre os manifestantes estava o ativista Luaty Beirão.

  • Regime de Pyongyang nega envolvimento na morte de Kim Jong-nam 
    1:53

    Mundo

    A polícia da Malásia diz que o irmão do líder da Coreia do Norte foi morto com uma arma química. Os investigadores encontraram vestígios de gás VX no corpo de Kim Jong-nam, um gás letal proibido pelas convenções internacionais. O Governo da Coreia do Sul pediu esta sexta-feira ao regime de Pyongyang que admita que está por detrás da morte de Kim Jong-nam mas o mesmo já veio negar o envolvimento no assassinato.