sicnot

Perfil

Mundo

Primeiro-ministro turco admite eleições antecipadas como "fortemente prováveis"

O primeiro-ministro islamita-conservador turco, Ahmet Davutoglu, anunciou esta quinta-feira o falhanço das negociações com a oposição para formar um governo de coligação e admitiu um cenário de eleições antecipadas como "fortemente provável".

O primeiro-ministro islamita-conservador turco, Ahmet Davutoglu. (Arquivo)

O primeiro-ministro islamita-conservador turco, Ahmet Davutoglu. (Arquivo)

© Umit Bektas / Reuters

"Não conseguimos assegurar uma base propícia para a formação de um governo", disse aos 'media' em Ancara, no final da última reunião no parlamento com o líder do Partido Republicano do Povo (CHP, social-democrata), e principal força da oposição.

Num contexto político muito incerto, a libra turca caiu 2 por cento face ao dólar nos mercados financeiros.

"São fortemente prováveis eleições antecipadas", declarou, considerando esta decisão a "única opção" para o país e considerando que a opinião pública turca está preparada para essa eventualidade.

Davutoglu pronunciou-se após um encontro com Kemal Kliçdaroglu, o líder do CHP e a única formação com representação parlamentar que tinha admitido uma aliança com o Partido da Justiça e do Desenvolvimento (AKP, proveniente do islamismo político e no poder desde 2002).

"O AKP será o mais beneficiado com eleições antecipadas", sugeriu Davutoglu, apesar deste partido ter perdido a maioria absoluta nas legislativas de 07 de junho, quando obteve perto de 40% dos votos.

A crise política na Turquia coincide com o início de uma ofensiva militar da Turquia em duas frentes desencadeada em julho em duas frentes, dirigida contra a rebelião curda do Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK) no sudeste turco e norte do Iraque, e contra o grupo Estado Islâmico na Síria.

De acordo com os críticos do Presidente Recep Tayyp Erdogan, ex-primeiro-ministro e que permanece o "homem forte" do país, a ofensiva contra o PKK destina-se a mobilizar o eleitorado nacionalista e tentar afastar da cena política o Partido Democrático dos Povos (HDP), uma formação pró-curda e da esquerda turca, que ao obter 13% dos votos em 7 de junho e eleger 80 deputados retirou a maioria absoluta que o AKP garantia há 13 anos.

Lusa

  • Turcos saúdam fim da maioria do partido de Erdogan
    1:13

    Mundo

    Os resultados das legislativas na Turquia tiveram um efeito imediato na bolsa de Istambul e na moeda turca. O partido islamita AKP do Presidente turco venceu as eleições legislativas, mas não conseguiu a maioria. Os resultados dão apenas 41% dos votos ao partido de Recep Tayyip Erdogan. O mercado bolsista caiu mais de 6% e a libra turca atingiu um mínimo histórico face ao euro e ao dólar. O banco central turco foi obrigado a descer as taxas de juro para os depósitos em moeda estrangeira para travar a descida da libra turca. Para muitos turcos, a perda da maioria do partido de Erdogan é o fim de uma era.

  • A proposta dos partidos para a redução da dívida
    1:55

    Economia

    O PS e o Bloco de Esquerda querem mais 45 anos para pagar as dívidas à UE e juros mais baixos. As medidas fazem parte da proposta para a redução da dívida pública. No relatório que será enviado ao Governo, não é pedido perdão da dívida como os partidos da esquerda chegaram a defender.

  • Ministros de Governos de Sócrates ouvidos pelo Ministério Público
    1:54
  • Suspeito de atropelamento mortal fala de acidente 
    2:00
  • "Têm um verdadeiro amigo na Casa Branca"

    Mundo

    O Presidente norte-americano reafirmou esta sexta-feira o apoio ao direito de porte de armas no país, sublinhando, numa convenção daquele 'lobby', que "o ataque de oito anos às liberdades consagradas no Artigo 2.º [da Constituição]" terminou.

  • A história de Macron e Brigitte Trogneux, 25 anos mais velha
    1:25

    Eleições França 2017

    A segunda volta das eleições francesas acontece já no próximo dia 7 de maio. Caso Emmanuel Macron seja eleito, o país terá como primeira-dama uma mulher 25 anos mais velha do que o Presidente. Brigitte Trogneux tem 64 anos e Macron 39, conheceram-se no liceu privado de jesuítas, em Amiens. Brigitte era a professora e Macron o aluno. Conheça a história do casal. 

  • Autoridades garantem ter evitado novo ataque terrorista em Londres
    0:59

    Mundo

    A polícia britânica garante que evitou um novo atentado em Londres. Mulher baleada faz parte das oito pessoas que foram detidas numa operação antiterrorista na capital britânica e no sul de Inglaterra. A operação realizou-se após a detenção de um homem com três facas, nas imediações do Parlamento britânico.

  • Presidente da Macedónia convocou reunião de emergência

    Mundo

    O Presidente da Macedónia, Gjorge Ivanov, convocou esta sexta-feira uma reunião de emergência com líderes políticos, após manifestantes, maioritariamente apoiantes da maioria conservadora, invadirem o Parlamento e atacarem deputados da oposição, fazendo 77 feridos.

  • Polícia espanhola divulga imagens de operação anti-jihadista

    Mundo

    A polícia espanhola divulgou esta sexta-feira novas imagens da operação anti-jihadista levada a cabo na terça-feira em Barcelona. Sabe-se agora que dois dos nove suspeitos detidos podem estar relacionados com a célula terrorista de Bruxelas, responsável pelos ataques no Aeroporto de Zaventem e no metro da capital belga.

  • Menina que nasceu com três pernas já corre

    Mundo

    Uma criança do Bangladesh que cresceu com três pernas vai regressar a casa, depois de uma viagem até à Austrália, onde foi operada para retirar o membro a mais. Como resultado de um gémeo que não se formou por completo, a criança de três anos nasceu com uma terceira perna na pélvis. Alguns meses após a cirurgia, feita em novembro, a menina já corre.