sicnot

Perfil

Mundo

Estado Islâmico sequestra jornalista em Mossul no Iraque

O grupo extremista Estado Islâmico (EI) sequestrou um jornalista de televisão na cidade de Mossul, o seu bastião no norte do Iraque, informou hoje o Sindicato dos Jornalistas iraquiano,

O diretor do Sindicato, Sufian al Mashhadani, explicou à agência espanhola Efe que os extremistas cercaram durante a noite a casa do repórter Yahia al Jatib, situada no bairro de Al Wehda, no sul de Mossul, antes de o sequestrarem.

Segundo referiu, vários extremistas estrangeiros invadiram a casa de Al Jatib, de 28 anos, que foi algemado e a quem vendaram os olhos.

Os radicais roubaram o computador e o telemóvel do jornalista, que trabalhou para a estação de televisão Al Mausiliya, onde apresentou um programa de desporto durante três anos. Posteriormente, Al Jatib trabalhou para o canal Nainawa al Gad, que pertence a Azil al Nuyaifi, governador da província de Niníve, da qual Mossul é capital.

No passado dia 05 de agosto, elementos do grupo extremista fuzilaram três estudantes de jornalismo da Universidade de Mossul pela divulgação de fotografias na Internet e por "colaborarem" com meios de comunicação estrangeiros.

Para além do jornalista agora detido, o grupo radical mantém como reféns oito informadores iraquianos.

Desde que o EI ocupou Mossul, em 10 de junho do ano passado, assassinou centenas de pessoas por se oporem à sua ideologia extremista, entre as quais, ativistas de direitos humanos, médicos, jornalistas, militares e polícias.

Lusa

  • Marine devolve bandeira do Japão 73 anos depois 
    2:13

    Mundo

    Setenta e três anos depois da batalha mais sangrenta do Pacífico, um veterano dos Estados Unidos cumpriu uma promessa pessoal. Marvin Strombo devolveu à família a bandeira da sorte de um soldado japonês, morto em 1944, em Saipan, na II Guerra Mundial. 

  • Autoridades usam elefantes para resgatar pessoas das cheias na Ásia
    1:31

    Mundo

    Mais de 215 pessoas morreram nas inundações que estão a devastar o centro da Ásia, e estima-se que três milhões tiveram de abandonar as casas. As autoridades estão a usar elefantes para resgatar locais e turistas das zonas mais afetadas e avisam que há dezenas de pessoas desaparecidas.