sicnot

Perfil

Mundo

Famílias dos bombeiros desaparecidos nas explosões na China em protesto

Famílias dos bombeiros desaparecidos nas explosões na China em protesto

Na China, as famílias dos bombeiros que continuam desaparecidos por causa das explosões em Tianjin manifestaram-se esta manhã na cidade portuária. Numa altura em que as autoridades confirmam que o número de mortos subiu para 112, os familiares queixam-se de falta de informação e respostas por parte da polícia. Tratam-se das famílias da primeira equipa de bombeiros enviada para o local na passada quarta feira, que tem sido amplamente criticada por ter tentado apagar o fogo inicial com água, uma mistura que pode ter provocado as explosões. Quatro dias depois, pelo menos 95 pessoas continuam desaparecidas. Dessas, 85 são bombeiros.

  • "A nossa lei tem demasiados buracos"
    0:44

    País

    Rui Cardoso acusa a classe política de não querer resolver os problemas da corrupção em Portugal. Entrevistado na Edição da Noite da SIC Notícias o magistrado do Ministério Público considera que ainda há um longo caminho a percorrer no combate à corrupção.

  • Salah Abdeslam deixa cadeira vazia na leitura da sua sentença
    2:05

    Mundo

    O único suspeito vivo dos ataques de Paris em 2015 foi esta segunda-feira condenado a 20 anos de prisão por um tribunal belga, num processo paralelo: um tiroteio em março de 2016, em Bruxelas. Tanto Salah Abdeslam como o cúmplice não quiseram estar na leitura da sentença. O julgamento de Salah Abdeslam pelos ataques de Paris só deverá acontecer no próximo ano, em França.

  • Beyoncé e a irmã caem e o vídeo torna-se viral

    Cultura

    Beyoncé voltou este fim de semana a subir ao palco do Coachella, depois de ter atuado na primeira semana do festival que decorreu no deserto da Califórnia, nos EUA. A cantora norte-americana voltou a brilhar, mas foi o momento em que caiu no palco com a irmã, Solange, que acabou por se tornar viral.

    SIC

  • Cientistas querem sequenciar genomas de 15 milhões de espécies

    Mundo

    Um consórcio internacional de cientistas, que por enquanto não inclui portugueses, propõe-se sequenciar, catalogar e analisar os genomas (conjuntos de informação genética) de 15 milhões de espécies, uma tarefa que levará dez anos a fazer, foi divulgado esta segunda-feira.