sicnot

Perfil

Mundo

Autor de tiroteio em tribunal de Nova Iorque suicida-se

O homem armado que matou a tiro um segurança num edifício federal, em Nova Iorque, Estados Unidos, tirou depois a própria vida com um tiro na cabeça, informou a polícia.

JASON SZENES/EPA

Não se sabe o motivo do ataque, mas uma avaliação preliminar da polícia afastou ligações a terrorismo.

Pouco depois das 17:00 de sexta-feira (22:00 em Lisboa), o homem entrou no número 201 da Varick Street, em Manhattan, num edifício onde fica o tribunal de imigração e um gabinete de veteranos.

O homem aproximou-se do detetor de metais onde "imediatamente sacou uma arma e atingiu o segurança a curta distância", disse o chefe da polícia de Nova Iorque, James O'Neill.

"Continuou pela zona de segurança e foi em direção ao elevador, onde encontrou outro funcionário. Nesta altura, acreditarmos que deu um tiro na própria cabeça. O suspeito está morto no local", disse O'Neill.

O segurança foi levado para o Hospital Lenox Hill, tendo sofrido uma paragem cardíaca, indicou um porta-voz dos bombeiros. À chegada ao hospital foi declarado morto, segundo fonte do Lenox Hill.

A polícia disse estar a trabalhar com as autoridades federais, incluindo o departamento de segurança interna e o FBI, para determinar o motivo do suspeito.

Lusa

  • Passos acusa Governo de "sacudir água do capote"

    País

    O líder do PSD, Pedro Passos Coelho, acusou este sábado o Governo de "sacudir a água do capote" para não assumir a responsabilidade pelo que está a ser decidido, usando uma política de comunicação que considerou ser um "embuste".

  • Quase 200 polícias solidários com agentes acusados
    2:29

    País

    Perto de 200 polícias manifestaram-se este sábado na sede da PSP em Alfragide, em solidariedade com os 18 agentes acusados no processo Cova da Moura. O Sindicato Nacional de Polícia associou-se ao protesto e diz existir um aproveitamento político do caso.

  • Polícias ameaçam com protestos no arranque do campeonato
    1:24

    País

    Os agentes da PSP ameaçam boicotar a presença nos jogos do campeonato da Primeira e Segunda ligas que começam em 15 dias. Os agentes colocam em causa o atual modelo de policiamento no futebol, que faz com que muitos dos profissionais da PSP trabalhem sem remuneração em dia de folga.