sicnot

Perfil

Mundo

Israel liberta novo grupo de imigrantes ilegais africanos

Israel libertou hoje um novo grupo de imigrantes ilegais africanos, cerca de 600, que estavam no centro de retenção em Holot, localizado no deserto de Neguev (sul), indicou uma porta-voz das autoridades penitenciárias israelitas.

© Amir Cohen / Reuters

Na terça-feira, as autoridades israelitas já tinham libertado 1.178 imigrantes, a maioria oriundos do Sudão e da Eritreia, após uma deliberação do Supremo Tribunal israelita.

"É um facto", afirmou, em declarações à agência francesa AFP, uma porta-voz dos serviços prisionais israelitas.

A mesma representante disse não saber para onde irão estes imigrantes.

O Supremo Tribunal ordenou, a 11 de agosto, que os imigrantes que estavam retidos há mais de um ano deviam ser libertados num prazo de duas semanas.

O governo israelita conservador liderado por Benjamin Netanyahu defende a saída do país destes imigrantes, cuja presença tem originado focos de tensão.

Após a libertação destes dois grupos, 550 pessoas ainda permanecem no centro de Holot, segundo as autoridades penitenciárias israelitas.

Aos imigrantes que são libertados é atribuído um documento, segundo informações citadas pelos 'media' locais, que os proíbe de trabalhar ou viver em Telavive, a capital económica de Israel, e em Eilat, uma estância balnear no mar Vermelho com vários hotéis e potencialmente um bom lugar para arranjar trabalho.

A presença dos imigrantes nestas duas cidades, especialmente nos bairros pobres do sul de Telavive, tem provocado graves tensões e manifestações de residentes israelitas, que exigem a expulsão dos migrantes.

O presidente da câmara de Telavive, Ron Huldai (esquerda), criticou fortemente o governo de direita de Benjamin Netanyahu aos microfones da rádio militar israelita, ao sublinhar que "cada ministro propõe uma política diferente e se rende a declarações populistas e racistas".

Segundo o autarca israelita, entre 30.000 a 35.000 imigrantes africanos estão em Telavive e "anualmente nascem 1.000 crianças desses imigrantes".

Ron Huldai propõe que sejam atribuídas autorizações de trabalho a estes imigrantes, possibilitando a distribuição destas pessoas por todo o território israelita e evitando uma concentração excessiva em Telavive.

"É preciso tratá-los como seres humanos e não podemos esquecer que os nossos pais e avós também foram refugiados", frisou.

Israel acolhe atualmente 45.000 imigrantes ilegais, a maioria entrou via Sinai egípcio, segundo os mais recentes dados da autoridade israelita para a população e imigração. Entre eles, 33 mil são oriundos da Eritreia, 8.500 do Sudão, 3.000 de outros países africanos e 500 de outros países do mundo.

A imigração em Israel, que atribui o estatuto de refugiados a poucos, tem decorrido ao longo de vários anos.

Ao contrário da Europa e dada a sua situação geopolítica, Israel não enfrenta as atuais vagas de migrantes provenientes da Líbia e da Síria, segundo sublinhou Sabin Hadad, porta-voz do ministério do Interior israelita.

Praticamente não foram registadas novas entradas no território israelita, via Egito, desde finais de 2013 e após a construção de uma vedação elétrica ao longo dos 230 quilómetros da fronteira.

Holot, o principal centro de retenção em Israel, é um centro de regime aberto onde os migrantes podem sair durante o dia e regressar à noite.

Lusa

  • A corrida ao iPhone 8 no Japão, China e Austrália
    2:04
  • Milhares protestam na Catalunha contra Madrid
    1:45

    Mundo

    O Governo de Madrid mostrou-se disposto a dar mais dinheiro e autonomia financeira à Catalunha, se o Governo Regional suspender o referendo independentista. A 10 dias da consulta popular, a tensão é explosiva, com protestos nas ruas, detenções e confrontos com as autoridades.

  • O que separa a Catalunha do resto de Espanha?
    2:12

    Mundo

    Desde 1640, as revoltas catalãs representam a vontade pela distância e pela independência. Numa região que não é reconhecida formalmente como Nação, na Catalunha entende-se e fala-se mais castelhano do que catalão. Mas o que realmente separa a Catalunha do resto de Espanha?

  • Marcelo Rebelo de Sousa avisou que depois das autárquicas viria um novo ciclo. A lógica levou-nos a assumir que estava a falar do PSD, mas hoje, olhando para a situação política, devemos também incluir nessa previsão a “geringonça” e os seus equilíbrios. Não acredito que as coisas mudem até às legislativas, mas as contas só se fazem depois dos votos das autárquicas. Até lá, o tom de voz das esquerdas vai engrossar.

    Bernardo Ferrão

  • Complexo Agroindustrial do Cachão abandonado e exposto à poluição
    2:03
  • Família Portugal Ramos
    15:01

    As Famílias Vintage regressaram esta quinta-feira, com uma viagem ao Alentejo. Foi a partir desta região que João Portugal Ramos conquistou um lugar entre os grandes do setor. Desde há 25 anos a vindimar em seu nome, o enólogo produz seis milhões de litros de vinho por ano.

  • Se pedir ao seu cão para ir buscar uma garrafa de vinho ele vai?
    0:49

    País

    Há 25 anos a vindimar no Alentejo, o enólogo João Portugal Ramos produz seis milhões de litros de vinho por ano. Em Estremoz comprou casa e terra. Iniciou a plantação de vinhas próprias e a construção de uma adega. Um espaço que conhece como as palmas da mão. Ele e um amigo muito especial.

  • Presidente das Filipinas pede que matem o filho se estiver envolvido nas drogas

    Mundo

    O Presidente das Filipinas pediu que matassem o seu filho se as acusações de que traficava droga fossem provadas. Rodrigo Duterte destacou ainda que, caso fosse verdade, iria proteger as autoridades que executassem Paolo Duterte. Em causa está a acusação de que o filho do Presidente filipino faria parte da máfia chinesa, que contrabandeia drogas, vindas da China para dentro do país.

    SIC

  • Morreu a mulher mais rica do mundo

    Mundo

    Liliane Bettencourt, herdeira do grupo de cosméticos L'Oréal e a mulher mais rica do mundo, segundo a revista Forbes, morreu na quarta-feira à noite aos 94 anos, anunciou a família.

  • Espanhola tenta provar há sete anos que está viva

    Mundo

    Uma mulher de 53 anos está há sete anos a tentar provar que está viva. Segundo o Estado espanhol, Juana Escudero Lezcano morreu a 13 de maio de 2010, mas na realidade quem morreu foi uma mulher com o mesmo nome e data de nascimento.

    SIC