sicnot

Perfil

Mundo

Milicianos libertam 163 crianças soldado na República Centro-Africana

163 crianças soldado, entre as quais cinco meninas, foram libertadas na sexta-feira pelos milicianos anti-balaka em Batango, no oeste da República Centro-Africana, anunciou a Unicef em comunicado.

© Reuters Photographer / Reuter

No total, foram libertadas 645 crianças pelos grupos armados centro-africanos desde a assinatura, em maio último, de um acordo com a Unicef, indicou a agência das Nações Unidas em comunicado.

"Esta libertação é o sinal de que a implementação do acordo assumido pelos chefes destes grupos, no quadro do processo de paz e de reconciliação, está no bom caminho", declarou o representante da Unicef em Bangui, Mohamed Malick Fall.

Os líderes de oito grupos armados centro-africanos, entre os quais das milícias cristãs anti-balaka e da ex-rebelião muçulmana Séléka, protagonistas do conflito, comprometeram-se a libertar vários milhares de crianças soldado, em maio passado, por ocasião de um fórum em Bangui para a reconciliação nacional.

"Esperamos ver centenas de outras crianças libertadas antes do final do ano", referiu o responsável.

A Unicef estima entre 6.000 10.000 o número de crianças alistadas nos grupos armados na República Centro-Africana desde o início dos confrontos e da vaga de violência, em 2013.

Lusa

  • Economia portuguesa a crescer
    2:26
  • Os likes dos candidatos às autárquicas no Facebook
    4:00

    Autárquicas 2017

    Se há mais de 5 milhões de portugueses no Facebook, é natural que as autárquicas também passem pela rede social mais usada no país e no mundo. A SIC apresenta-lhe os 10 candidatos cujas páginas têm mais seguidores e, para a comparação ser mais justa, os que têm mais seguidores em Portugal - porque há também quem estranhamente tenha milhares de fãs em países como Egito, Filipinas ou Vietname.

  • Embaixador do Bangladesh pede ajuda aos portugueses no caso dos rohingya

    Mundo

    O embaixador do Bangladesh em Lisboa pediu esta sexta-feira aos portugueses que ajudem a resolver o problema dos rohingya. Desde o final de agosto, mais de 400 mil pessoas desta minoria muçulmana fugiram de Myanmar, a antiga Birmânia. O Bangladesh já tinha acolhido outros 400 mil refugiados e vê-se agora a braços com esta crise migratória. Pede por isso a Portugal que pressione Myanmar para aceitar de volta e em segurança os rohingya.