sicnot

Perfil

Mundo

Suspeitos ligados à morte de 71 migrantes na Áustria ouvidos por tribunal húngaro

- Os quatro suspeitos da morte de 71 migrantes, encontrados na quinta-feira num camião abandonado no leste da Áustria, chegaram hoje ao tribunal de Kecskermét, na Hungria, onde vão ser ouvidos, testemunhou um jornalista da agência francesa AFP.

© Heinz-Peter Bader / Reuters

O Ministério Público pediu que os quatro homens -- três búlgaros e um afegão -- permaneçam sob custódia devido à "natureza excecional do crime, as subsequentes mortes de pessoas no tráfico de seres humanos e a perpetração do ato criminoso de traficar pessoas de forma profissional".

Os quatro suspeitos -- dois deles com idades a rondar os 30 anos e os outros com cerca de 50 anos -- foram transportados em carros separados até ao palácio de justiça de Kecskermét, a cerca de 90 quilómetros a sul de Budapeste, de acordo com o jornalista da AFP.

O Ministério Público requereu que os suspeitos fiquem detidos sob custódia durante um mês, ao mesmo tempo que as investigações deste caso prosseguem.

Segundo os primeiros elementos da investigação, as 71 vítimas -- 59 homens, oito mulheres e quatro crianças -- eram possivelmente refugiados sírios e terão morrido asfixiadas.

Os corpos foram encontrados no interior de um camião abandonado numa autoestrada no leste da Áustria. O camião era oriundo da Hungria.

Segundo a polícia austríaca, estes quatro homens serão apenas elementos operacionais "de um grupo búlgaro e húngaro de tráfico de seres humanos".

Lusa

  • Trabalharia horas extra sem ser pago? E feriados?  
    1:25
  • UE dá "luz verde" para início das negociações do Brexit

    Brexit

    Os 27 Estados-membros da União Europeia aprovaram esta segunda-feira a autorização para o início das negociações do Brexit, indicando formalmente o final de junho para início do processo de saída do Reino Unido, que se prolongará por dois anos.

  • Donald Trump em Israel
    2:14
  • Regras secretas do Facebook permitem divulgação de imagens violentas

    Mundo

    A política interna da empresa Facebook defende que nem todos os vídeos violentos publicados na rede social devem ser apagados porque "não quer censurar ou punir pessoas em perigo". A revelação é feita pelo jornal britânico The Guardian após uma investigação em que conseguiu ter acesso ao manual interno.