sicnot

Perfil

Mundo

Suspeito do atentado de Banguecoque recusa cooperar

O suspeito interrogado este sábado no âmbito da investigação ao atentado de Banguecoque recusa cooperar, disse hoje o chefe do exército da Tailândia.

© Athit Perawongmetha / Reuters


"O interrogatório não progride porque o suspeito não nos deu qualquer informação útil", afirmou o chefe do exército tailandês, o general Udomdej Sitabutr, em declarações à agência AFP.

O suspeito, que não foi identificado, encontra-se sob custódia militar num local não revelado, após ter sido detido na sequência de uma rusga da polícia a um apartamento na periferia de Banguecoque.

Segundo os investigadores, o suspeito do atentado, que fez duas dezenas de mortos, tinha materiais para o fabrico de bombas e vários passaportes na sua posse.

No passado dia 17, pelo menos 21 pessoas morreram e mais de 100 ficaram feridas na sequência de uma explosão num templo hindu em Banguecoque.

A bomba explodiu pelas 18:30 locais de segunda-feira (12:30 em Lisboa) e ainda não se sabia quem estava por detrás do ataque.

Lusa

  • Rui Vitória não espera facilidades frente ao Tondela
    1:34

    Desporto

    O líder do campeonato, o Benfica, recebe este domingo o último classificado, o Tondela. Na conferência de antevisão do encontro, Rui Vitória afirmou que não espera facilidades. O treinador do Benfica falou ainda de Sebastian Coates.

  • Advogados de Sócrates queixam-se de bullying processual e mediático
    2:13

    Operação Marquês

    Os advogados de José Sócrates queixam-se de bullying processual e mediático e garantem que o antigo primeiro-ministro nunca favoreceu Ricardo Salgado ou o Grupo Espirito Santo. Segundo o Expresso, o presidente da Escom, Helder Bataglia, terá admitido que Ricardo Salgado utilizou uma conta bancária do empresário, na Suíça, para passar 12 milhões de euros a Carlos Santos Silva, alegadamente para o amigo José Sócrates.

  • Marine Le Pen diz que Brexit terá efeito dominó na UE
    0:39

    Brexit

    Marine Le Pen diz que o Brexit vai ter um efeito dominó na União Europeia. Durante um congresso da extrema-direita, a líder da Frente Nacional francesa afirmou que a Europa vai despertar este ano em que estão marcadas eleições em vários países, como a Alemanha e a Holanda.