sicnot

Perfil

Mundo

Jardim zoológico alemão mata orangotango em fuga

O jardim zoológico da cidade alemã de Duisburg informou hoje que funcionários daquele espaço mataram um orangotango que tinha escapado da respetiva jaula e que podia constituir uma ameaça devido ao seu comportamento agitado.

Arquivo

Arquivo

© Darren Whiteside / Reuters

O orangotango, um macho adulto chamado Nieas, conseguiu escapar na segunda-feira através de uma porta da sua jaula que não ficou devidamente fechada.

O animal ficou depois bastante agitado quando foi confrontado por outro orangotango macho, explicou o jardim zoológico.

"Fora do seu ambiente familiar, o orangotango entrou em pânico, correndo de um lado para um outro com medo", referiu o zoológico de Duisburg, num comunicado, acrescentando que o primata poderia ter saltado a vedação e ter fugido para as ruas da cidade a qualquer momento.

Segundo o zoológico, o uso de dardos tranquilizadores não era uma solução viável porque "teria levado vários minutos para o sedativo fazer efeito".

"Por essa altura, o orangotango já teria fugido para a cidade e não podemos descartar eventuais prejuízos", nomeadamente para os transeuntes.

O jardim zoológico afirmou "lamentar" o facto de ter sido forçado a usar balas reais contra um animal potente, acrescentando que "os funcionários envolvidos estão em estado de choque".

Os orangotangos oriundos das ilhas de Sumatra e Bornéu (Indonésia) são uma espécie ameaçada devido à desflorestação e à caça furtiva.

Lusa

  • Incêndio de Setúbal "quase dominado"
    4:04

    País

    O incêndio que deflagrou segunda-feira em Setúbal está "quase dominado", segundo informações da presidente da Câmara. Maria das Dores Meira diz que não há feridos a registar e que os habitantes já vão regressando a casa. Para ajudar no combate ao fogo foram enviados meios de Lisboa.

  • "Lancei um tema que os portugueses há muito queriam discutir"
    11:26
  • Danos Colaterais 
    18:55
    Reportagem Especial

    Reportagem Especial

    Jornal da Noite

    Nos últimos oito anos a banca perdeu 12 mil profissionais. A dimensão de despedimentos no setor é a segunda maior da economia portuguesa, só ultrapassada pela construção civil. A etapa mais complexa da história começou em 2008, com a nacionalização do BPN. Desde então, as saídas têm sido a regra. A reportagem especial desta terça-feira, "Danos Colaterais", dá voz aos despedidos da banca.