sicnot

Perfil

Mundo

Coreia do Norte ameaça romper o acordo de diálogo com Coreia do Sul

Pyongyang ameaçou hoje "voltar à confrontação" ao acusar Seul de mal-interpretar, de forma intencionada, uma declaração norte-coreana na qual lamentava um ataque com minas e que ajudou a pôr fim a uma grave crise militar.

© Jacky Chen / Reuters

"Se a Coreia do Sul continuar assim, as relações entre as duas Coreias poderão voltar ao confronto", afirmou o comité de Defesa Nacional da Coreia do Norte, num comunicado citado pela agência Yonhap em Seul.

Ambos os governos assinaram há uma semana um acordo para pôr fim à tensão, tendo Pyongyang lamentado a explosão de minas a 04 de agosto, num incidente que feriu gravemente dois soldados sul-coreanos na fronteira.

Dias depois do acordo, altos funcionários de Seul, incluindo o ministro da Unificação, Hong Yong-pyo, declararam publicamente que a expressão de Pyongyang equivale a uma desculpa, algo que parece não ter caído bem ao regime norte-coreano.

  • Reportagem Especial dá a voz aos despedidos da banca
    1:18
  • CEMGFA admite que várias armas roubadas estão em condições de ser usadas
    2:06

    Assalto em Tancos

    Afinal há várias armas roubadas em Tancos que estão em condições de ser utilizadas, sendo que apenas os lança-granadas-foguete estão obsoletos. Esta manhã, o general Pina Monteiro admitiu, no Parlamento, que a declaração que fez há duas semanas pode ter induzido em erro a opinião pública. O chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas (CEMGFA) diz, ainda, que se houvesse indícios sobre colaboração do Exército neste caso, os suspeitos estariam presos.

  • Pais de Charlie Gard querem que o bebé morra em casa

    Mundo

    Depois de terem renunciado à batalha judicial para manterem o filho com vida, os pais do bebé britânico Charlie Gard desejam agora levar a criança para morrer em casa. O desejo foi revelado pelo advogado de Chris Gard e Connie Yates, numa audiência esta tarde, no Supremo Tribunal de Londres. Contudo, o hospital responsável pelo caso admite que os cuidados a Charlie não podem ser feitos em casa.