sicnot

Perfil

Mundo

Coreia do Norte ameaça romper o acordo de diálogo com Coreia do Sul

Pyongyang ameaçou hoje "voltar à confrontação" ao acusar Seul de mal-interpretar, de forma intencionada, uma declaração norte-coreana na qual lamentava um ataque com minas e que ajudou a pôr fim a uma grave crise militar.

© Jacky Chen / Reuters

"Se a Coreia do Sul continuar assim, as relações entre as duas Coreias poderão voltar ao confronto", afirmou o comité de Defesa Nacional da Coreia do Norte, num comunicado citado pela agência Yonhap em Seul.

Ambos os governos assinaram há uma semana um acordo para pôr fim à tensão, tendo Pyongyang lamentado a explosão de minas a 04 de agosto, num incidente que feriu gravemente dois soldados sul-coreanos na fronteira.

Dias depois do acordo, altos funcionários de Seul, incluindo o ministro da Unificação, Hong Yong-pyo, declararam publicamente que a expressão de Pyongyang equivale a uma desculpa, algo que parece não ter caído bem ao regime norte-coreano.

  • Como não perder Barack e Michelle Obama nas redes sociais

    Mundo

    Sair da Casa Branca implica mais que reunir objetos físicos: é preciso guardar também os tweets, os posts e todo o conteúdo digital produzido nos últimos oito anos pelo Presidente dos EUA e pela primeira-dama. A equipa de Barack Obama já preparou tudo para que nada se perca do seu legado digital.

  • Portugueses querem contratar Obama

    Mundo

    Contratar Barack Obama. Pode parecer uma tarefa impossível, mas para a startup portuguesa Swonkie a única resposta a este desafio é "Yes We Can", mote da campanha presidencial de Obama de há nove anos.

  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.