sicnot

Perfil

Mundo

Pelo menos 13 mortos em naufrágio de barco com migrantes ao largo da Malásia

Pelo menos 13 pessoas morreram hoje no estreito de Malaca no naufrágio de uma embarcação que as autoridades estimam que transportava cerca de 70 migrantes indonésios, anunciou um responsável da Malásia.

O pequeno barco afundou-se no mar agitado ao largo da costa oeste da Malásia, perto da cidade de Sabak Bernam, no Estado de Selangor, disse à AFP Mohamad Aliyas Hamdan, dos serviços marítimos da Malásia.

"Os pescadores socorreram 13 pessoas e encontraram os corpos de outras 13", acrescentou.

Com base no tamanho do barco, as autoridades estimam que na altura do acidente estivessem a bordo cerca de 70 pessoas, mas os pescadores locais disseram que poderia haver até 100 migrantes, acrescentou a mesma fonte.

"Destacámos 12 navios e um avião, juntamente com cerca de 200 funcionários para a operação de busca e resgate das vítimas restantes", disse.

As autoridades malaias ainda têm de verificar a nacionalidade das vítimas. Os corpos serão levados para um hospital público em Teluk Intan, no estado vizinho de Perak.

"Não temos a certeza se os migrantes estavam a tentar entrar na Malásia ou a tentar abandonar a Malásia ilegalmente", observou Aliyas, descrevendo o naufrágio como a pior tragédia de barco este ano.

A Malásia, a terceira maior economia do sudeste Asiático, tem sido um íman para os indonésios que buscam emprego.

Estima-se que cerca de dois milhões de imigrantes ilegais -- a grande maioria da Indonésia -- trabalhem na Malásia.

Lusa

  • Polícias ameaçam com protestos no arranque do campeonato
    1:24

    País

    Os agentes da PSP ameaçam boicotar a presença nos jogos do campeonato da Primeira e Segunda ligas que começam em 15 dias. Os agentes colocam em causa o atual modelo de policiamento no futebol, que faz com que muitos dos profissionais da PSP trabalhem sem remuneração em dia de folga.

  • 700 milhões para armamento e equipamento militar
    1:16

    País

    Portugal vai investir nos próximos anos 700 milhões de euros em armas e equipamento militar. Segundo a imprensa de hoje, o objetivo é colocar algumas áreas das Forças Armadas a um nível similar ao dos outros aliados da NATO. É o maior volume de programas de aquisição dos últimos anos e parte das verbas vão beneficiar a indústria portuguesa que fabrica aviões, navios-patrulha, rádios e sistemas de comando e controlo.

  • Princesa Diana morreu há 20 anos. Filhos falam pela 1ª vez da intimidade
    1:15