sicnot

Perfil

Mundo

Lesão cerebral "ajuda a parar de fumar"

Uma região particular do cérebro poderá ser responsável pela dependência da nicotina, revela um estudo norte-americano. Uma lesão cerebral nessa região mostrou aos cientistas que as pessoas afectadas deixaram mais facilmente de fumar.

© Andrew Winning / Reuters

Ao estudar as diferentes lesões cerebrais de 156 sobreviventes de AVC, os cientistas perceberam que aqueles que tinham sido afectados na ínsula deixaram de fumar e tiveram menos sintomas de abstinência da nicotina que os outros com lesões diferentes.

A maioria dos medicamentos para parar de fumar actuam de forma a bloquear o "sistema de recompensa" da nicotina. As pastilhas e os pensos de nicotina ajudam a controlar a necessidade dessa substância fornecendo certas doses de nicotina ao organismo à medida que o fumador abandona o tabaco.

O investigador principal do estudo publicado nas revistas Addiction e Addictive Behaviors, Amir Abdolahi, acredita que ter como alvo a ínsula em novas abordagens terapêuticas poderá ter uma maior taxa de sucesso na cessação tabágica.

"Será necessária uma investigação mais aprofundada para percebermos exactamente qual o papel da ínsula, mas ficou bem claro que esta região do cérebro é responsável por algo que influencia a dependência", afirma Amir Abdolahi, citado pela BBC.

  • Videoamador mostra grupo a atar tocha a um touro
    1:33
  • PJ investiga forma como o FC Porto obteve os e-mails
    1:58

    Desporto

    Enquanto o campeonato português de futebol está de férias do relvado, nos bastidores continua uma guerra aberta por causa dos e-mails. O FC Porto entregou à Polícia Judiciária toda a documentação disponível do chamado caso dos e-mails, que envolve o Benfica num alegado esquema de corrupção. O pedido foi feito pela Unidade Nacional de Combate à Corrupção da PJ. A forma como o FC Porto obteve os e-mails também está a ser investigada pela Polícia Judiciária.

  • Manifestantes bloquearam Caracas

    Mundo

    Milhares de pessoas bloquearam esta sexta-feira as ruas de Caracas e de outras cidades, em protesto contra a repressão e o assassinato de manifestantes pelas forças de segurança.