sicnot

Perfil

Mundo

Lesão cerebral "ajuda a parar de fumar"

Uma região particular do cérebro poderá ser responsável pela dependência da nicotina, revela um estudo norte-americano. Uma lesão cerebral nessa região mostrou aos cientistas que as pessoas afectadas deixaram mais facilmente de fumar.

© Andrew Winning / Reuters

Ao estudar as diferentes lesões cerebrais de 156 sobreviventes de AVC, os cientistas perceberam que aqueles que tinham sido afectados na ínsula deixaram de fumar e tiveram menos sintomas de abstinência da nicotina que os outros com lesões diferentes.

A maioria dos medicamentos para parar de fumar actuam de forma a bloquear o "sistema de recompensa" da nicotina. As pastilhas e os pensos de nicotina ajudam a controlar a necessidade dessa substância fornecendo certas doses de nicotina ao organismo à medida que o fumador abandona o tabaco.

O investigador principal do estudo publicado nas revistas Addiction e Addictive Behaviors, Amir Abdolahi, acredita que ter como alvo a ínsula em novas abordagens terapêuticas poderá ter uma maior taxa de sucesso na cessação tabágica.

"Será necessária uma investigação mais aprofundada para percebermos exactamente qual o papel da ínsula, mas ficou bem claro que esta região do cérebro é responsável por algo que influencia a dependência", afirma Amir Abdolahi, citado pela BBC.

  • A fuga dos PIDES
    20:08
  • Dominado incêncio no centro de tratamento de resíduos da Tratolixo
    1:55

    País

    O fogo na Tratolixo, em Trajouce, deflagrou esta segunda-feira à noite. As chamas foram controladas a meio da manhã pelos bombeiros. No local estão 133 operacionais, apoiados por 51 veículos. O fogo não fez vítimas nem danos materiais. O vento dificultou o combate às chamas.

  • Duas execuções no mesmo dia pela primeira vez em 17 anos nos EUA

    Mundo

    O estado norte-americano do Arkansas (sul) executou, na noite de segunda-feira, dois condenados à morte, o que sucede pela primeira vez em 17 anos no país, anunciou a procuradora-geral daquele estado. Jack Jones e Marcel Williams, condenados separadamente na década de 1990 à pena capital por violação e assassínio, receberam uma injeção letal depois de diferentes tribunais terem rejeitado os respetivos recursos, afirmou Leslie Rutledge, em comunicado.