sicnot

Perfil

Mundo

Palestina autorizada a hastear bandeira na sede das Nações Unidas

A ONU vai hoje autorizar a Palestina a hastear a sua bandeira na sede da instituição internacional em Nova Iorque, uma nova etapa da intensa campanha diplomática para o reconhecimento do Estado palestiniano.

© Ammar Awad / Reuters

A resolução será hoje submetida à votação na Assembleia-geral das Nações Unidas e a sua adoção será uma formalidade, segundo fontes diplomáticas junto da ONU.

Em declarações em Paris, o primeiro-ministro palestiniano, Rami Hamdallah, afirmou que a resolução será "um passo do caminho para a Palestina ser um membro pleno das Nações Unidas".

As únicas incertezas na votação passam pela extensão do apoio que vai reunir na Assembleia-geral e pela posição dos membros europeus, divididos sobre esta iniciativa. Os Estados Unidos e Israel opõem-se à resolução.

Quando a Palestina se tornou um "Estado observador não-membro" da ONU em 29 de novembro de 2012, a votação contou com 138 votos a favor, nove contra e 41 abstenções entre os 193 países-membros da Assembleia-geral.

Os palestinianos intensificaram os esforços há várias semanas para reunir "o maior número possível de votos", sublinhou o representante palestiniano junto da ONU, Riyad Mansour.

"Trata-se de uma medida simbólica", reconheceu Riyad Mansour, frisando, no entanto, que a iniciativa vai "reforçar os alicerces do Estado palestiniano" e vai oferecer aos palestinianos uma "luz de esperança" numa altura em que o processo de paz com Israel está num impasse total.

O Estado da Palestina já integra diversas agências da ONU e faz parte do Tribunal Penal Internacional, mas, apesar do reconhecimento de mais de 130 países, ainda não se tornou um membro pleno das Nações Unidas.

A resolução hoje em votação pede que as bandeiras dos Estados não-membros da ONU com estatuto de observador sejam "hasteadas na sede e nos escritórios da ONU junto das dos países membros". Só a Palestina e o Vaticano têm este estatuto.

Lusa

  • Troika nem sempre protegeu os mais vulneráveis - avaliação interna ao FMI

    Economia

    O organismo de avaliação independente do FMI concluiu que as medidas aplicadas pela 'troika' em Portugal nem sempre protegeram as pessoas com menos rendimentos, apontando que a primeira preocupação do Fundo era a redução dos défices, apurou o gabinete independente de avaliação do Fundo Monetário Internacional (FMI),

  • 64, 65 ou 73, afinal quantas são as vítimas de Pedrógão?
    1:27
  • A Minha Outra Pátria
    29:53
  • O apelo da adolescente arrependida de ir lutar pelo Daesh

    Daesh

    Uma adolescente alemã que desapareceu da casa dos pais, no estado da Saxónia, esteve entre os vários militantes do Daesh detidos este fim de semana na cidade iraquiana de Mossul. Arrependida do rumo que deu à sua vida, deixou um apelo emocionado em que expressa, repetidamente, a vontade de "fugir" e voltar para casa.

    SIC