sicnot

Perfil

Mundo

Quase 1,5 milhões de pessoas manifestam-se pela independência da Catalunha

Quase 1,5 milhões de pessoas participaram hoje em Barcelona numa manifestação pela independência da catalunha, ato que coincidiu com o dia nacional catalão, a Diada, e o arranque da campanha para as autonómicas da região, indicou a polícia municipal.

© Albert Gea / Reuters

Cerca das 17:30 (16:30 em Lisboa), ou seja 15 minutos depois do começo da marcha de cinco quilómetros pela Avenida Meridiana - rumo ao Parlamento catalão - a polícia local contabilizou 1,4 milhões de pessoas no local da manifestação. O número não foi ainda confirmado pela delegação do Governo, representante do governo central em Madrid.

Na Diada de 2014, que também incluiu uma manifestação semelhante, Madrid e Barcelona avançaram números diferentes sobre a adesão ao protesto, de cariz nacionalista e empolado este ano pelo arranque da campanha paras as eleições regionais antecipadas na Catalunha, nas quais vários partidos - entre os quais o do presidente do Governo regional, Artur Mas - pedem uma maioria absoluta para avançar com um processo de independência.

Na altura, a delegada do Governo central estimou um número de manifestantes entre os 470 mil e os 520 mil, enquanto a câmara municipal (então nas mãos do partido nacionalista de Mas) falou em 1,8 milhões de pessoas.

A manifestação de hoje, sob o lema "Via Livre para a República Catalã" encheu não só a Avenida Meridiana, como várias ruas afluentes desta, conforme testemunhou a Lusa no local.

Nos momentos a seguir ao desmobilizar da manifestação, o elevado número de pessoas a tentar apanhar transportes públicos sobrecarregou a rede, com autocarros a passar pelas paragens completamente cheios, táxis sempre ocupados e as estações de metro com filas que iam do cais de embarque até às entradas.

Milhares de pessoas encheram as ruas mais próximas ao trajeto e aos pontos de destino da manifestação, à espera de melhor hora para poder apanhar os transportes públicos de regresso a casa.

De acordo com a televisão da Catalunha, que acompanhou a manifestação ao minuto e transmitiu para ecrãs gigantes espalhados pelo local, ainda antes do evento várias artérias da cidade ficaram entupidas de trânsito, com elétricos, carros particulares e autocarros impedidos de aceder aos locais pré-designados.

A plataforma "Junts pel Sí" (Juntos pelo Sim) e a organização, a Assembleia Nacional Catalana (ANC) impulsionaram o evento como mais uma "demonstração de força" dos catalães pela independência. A ANC pré-inscreveu cerca de 500 mil participantes na manifestação, cada um deles com camisolas brancas alusivas ao evento e uma cartolina colorida para formar um mural humano de dez cores, cada uma delas representando um "eixo" de uma eventual República catalã.

Os partidos que se opõem à independência, sobretudo o PP (direita, no poder) criticaram o acto, considerando que foi um momento de campanha partidária pro-"Junts pel si", de Artur Mas.

Lusa

  • Michelle Obama partilhou momento de despedida da Casa Branca
    1:43
  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Trabalhadores da saúde iniciam greve nacional

    País

    Trabalhadores da saúde estão esta sexta-feira a cumprir uma greve a nível nacional para reivindicar a admissão de novos profissionais, exigir a criação de carreiras e a aplicação das 35 horas semanais a todos os funcionários do setor.

  • Portugal a tremer de frio
    3:07

    País

    Portugal continua a registar temperaturas negativas, sobretudo no Norte do país. Em Trás-os-Montes, por exemplo, marcaram mínimas de 11 graus abaixo de zero e os termómetros desceram tanto que congelaram rios, canalizações de água e até aquecimentos de escolas. Mas nem tudo é mau pois os produtores falam em boa época para curar fumeiro.

  • Juiz brasileiro morto em acidente aéreo investigava corrupção na Petrobras
    1:28
  • Zoo da Indonésia acusado de querer matar ursos à fome

    Mundo

    Um grupo de ativistas da Indonésia acusa o Jardim Zoológico de Bandung de estar a matar à fome os seus animais, incluindo os ursos-do-sol, para ser fechado. Um vídeo recentemente publicado mostra os ursos, que aparecem muito magros e a implorar por comida.

  • Podem as plantas ver, ouvir e até reagir?

    Mundo

    Um professor de Ciências Vegetais da Universidade de Missouri, nos Estados Unidos, passou quatro décadas a investigar as relações entre vegetais e insetos. Na visão de Jack Schultz, as plantas são "como animais muito lentos", que conseguem ver, ouvir, cheirar e até têm comportamentos próprios.