sicnot

Perfil

Mundo

El Niño pode afetar quatro milhões de pessoas nas Ilhas do Pacífico

As Nações Unidas exortaram hoje as Ilhas do Pacífico e os respetivos governos a prepararem-se para iminente ocorrência do fenómeno climático El Niño com o potencial de afetar mais de quatro milhões de pessoas.

© Mick Tsikas / Reuters

"Os climatologistas são unânimes em prever agora que estamos a caminhar para ocorrência de um forte e grave El Niño nos próximos meses" que "poderá ser tão grave" como o que aconteceu em 1997/98, ano em que se assistiu ao pior registo deste fenómeno climático que trouxe seca severa para Ilhas Fiji, disse o coordenador residente das Nações Unidas no Pacífico, Osnat Lubrani.

Aquele responsável apelou às comunidades e os países da região para se prepararem para o impacto da passagem do El Niño, assinalando que vários países estão em processo de implementação ou elaboração de planos de seca e as Nações Unidas estão prontas para apoiar esses esforços, proporcionando coordenação e assessoria técnica.

A ONU alerta para as consequências das mudanças climáticas nos próximos meses nos países do Equador, com eventual ocorrência de mais chuva, inundações e aumento dos níveis do mar.

O chefe do Escritório Regional das Nações Unidas para a Coordenação de Assuntos Humanitários no Pacífico, Sune Gudnitz, lembrou que o "El Niño tem o potencial de desencadear uma emergência humanitária regional" e a agência estima que, caso isso aconteça, pelo menos 4,1 milhões de pessoas em toda a região do Pacífico correm o risco de escassez de água, insegurança alimentar e de contrair doenças.

"Alguns países, incluindo a Papua Nova Guiné, Ilhas Fiji, Tonga e Salomão já estão a sentir o impacto do El Nino com precipitação reduzida afetando colheitas e abastecimento de água potável. As condições de seca iriam complicar ainda mais a situação humanitária em países que estão apenas emergindo da devastação causada pelos ciclones tropicais Pam, Maysak e Raquel", referiu Sune Gudnitz.

Por seu turno, o Fundo das Nações para a Infância (UNICEF) lembrou que em 1997/98 algumas escolas das Ilhas Fiji eram dependentes de camiões que forneciam água potável, pelo que "é importante que os tanques sejam verificados agora de modo a terem boas condições de armazenamento".

"As escolas precisam agir agora para garantir que possam manter o saneamento e a higiene", disse a representante do UNICEF para a região do Pacífico, Karen Allen.

Recentemente, líderes e representantes do Fundo de Desenvolvimento das Ilhas do Pacífico ameaçaram pedir aos principais emissores de gases de efeito estufa que indemnizem os países insulares afetados pelas alterações climáticas, argumentando que as ações dos países mais poluidores são contrárias à convenção da ONU contra as alterações climáticas.

Lusa

  • Adeptos do Sporting gritaram "Joguem à bola"

    Desporto

    Depois da eliminação da Taça de Portugal, o autocarro do Sporting deixou o Estádio Municipal de Chaves em clima de grante tensão. Vários adeptos leoninos protestaram contra a equipa e pediram explicações.

  • Oposição diz que défice abaixo dos 2,3% se deve ao aumento de impostos
    2:24

    Economia

    O défice de 2016 vai ficar abaixo dos 2,3%, uma garantia dada pelo primeiro-ministro durante o debate quinzenal desta terça-feira. A oposição diz que o resultado é bom para o país mas que se deve a um aumento de impostos, feito pelo Governo no ano passado, e ao trabalho do PSD e do CDS nos anos anteriores.

  • Temperaturas negativas em várias zonas do país nos próximos dias
    1:57

    País

    O frio vai começar a fazer-se sentir nos próximos dias com as temperaturas a descerem para valores negativos em várias zonas do país. Em Lisboa, cinco estações de metro vão estar abertas durante a noite para albergar os sem-abrigo que também vão receber agasalhos e refeições quentes.

  • Medalha idêntica à de Anne Frank encontrada em campo nazi

    Mundo

    Um grupo de investigadores encontrou uma medalha praticamente igual à de Anne Frank, nas escavações ao campo nazi de extermínio Sobibor, na Polónia. Os especialistas do Memorial do Holocausto Yad Vashem em Israel acreditam que a medalha pertencia a Karoline Cohn, que pode ter conhecido Anne Frank.