sicnot

Perfil

Mundo

Austrália vai deixar de pagar subsídios a pais que não vacinem filhos

O Parlamento australiano começou hoje a examinar um projeto de lei que propõe o fim do pagamento de alguns subsídios aos pais que não vacinem os filhos.

© Brian Snyder / Reuters

A proposta do governo conservador deverá ser aprovada sem problemas, uma vez que a oposição trabalhista apoia o texto.

A taxa de vacinação ultrapassa os 90% nas crianças australianas com idades entre um e cinco anos, de acordo com as estatísticas oficiais. Mas 39 mil crianças com menos de sete anos não são vacinadas devido às objeções dos pais, que consideram as vacinas perigosas para os filhos.

Em alguns países europeus e nos Estados Unidos, doenças que tinham desaparecido, como o sarampo, reapareceram. Epidemias localizadas de sarampo e tosse convulsa também foram registadas na Austrália.

"A escolha de não vacinas os filhos não tem qualquer fundamento médico e não deve ser apoiada pelos contribuintes", declarou, em abril, o antigo primeiro-ministro australiano Tony Abbott.

Os pais em causa receiam que a vacinação contra o sarampo, papeira e rubéola cause autismo, o que foi desmentido por numerosos estudos.

A controvérsa data de 1998, quando foi publicado um estudo na revista médica britânica The Lancet que semeou a dúvida no mundo anglo-saxónico, ao estabelecer uma relação entre aquelas vacinas e o autismo. Este artigo foi retirado devido "a irregularidades", mas as preocupações não diminuíram.

As autoridades de Camberra esperam, com esta medida, economizar um pouco mais de 500 milhões de dólares australianos (315 milhões de euros) nos próximos quatro anos.

Lusa

  • Cágado tratado com implante impresso em 3D
    2:26
  • Patrões não aceitam alterações ao acordo de concertação social
    2:25

    Economia

    As confederações patronais foram esta sexta-feira ao Palácio de Belém dizer ao Presidente da República que não aceitam que o Parlamento faça alterações ao acordo de concertação social. Os patrões dizem ainda ter esperança que o Parlamento não chumbe o decreto-lei que reduz a TSU das empresas com salários mínimos.