sicnot

Perfil

Mundo

Obama pede a empresários para pressionarem Congresso para levantar embargo a Cuba

O Presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, pediu hoje aos empresários norte-americanos para pressionarem o Congresso no sentido do levantamento do embargo a Cuba, destacando as "significativas oportunidades económicas" do processo de normalização das relações bilaterais.

© Carlos Barria / Reuters

Durante um encontro com empresários em Washington, Barack Obama disse que a visita do Papa Francisco a Cuba será uma "oportunidade" para aumentar o "interessantes diálogos" que já ocorrem dentro da ilha.

O Presidente afirmou que Cuba "não vai mudar da noite para o dia" com o processo de normalização das relações com os Estados Unidos, acrescentando que, "inevitavelmente", com o tempo, a proximidade vai "criar espaço para a liberdade pessoal e a transição política".

"Não faz sentido que continuemos a aplicar as velhas formas de fazer negócio" com Cuba, disse Barack Obama, referindo-se ao embargo.

Desde o anúncio em dezembro do processo para a normalização das relações entre os dois países, Obama tem-se manifestado a favor do levantamento do embargo imposto à ilha há mais de meio século.

Apenas o Congresso norte-americano, atualmente com maioria republicana, pode levantar o embargo.

O processo para a normalização das relações entre os dois países, já levou ao restabelecimento das relações diplomáticas com a abertura em julho das respetivas embaixadas em Washington e Havana.

Lusa

  • À redescoberta da Madeira, 16 anos depois
    1:59
  • Esquerda contra a venda do Novo Banco
    1:51

    Economia

    O futuro do Novo Banco promete agitar a maioria de esquerda nas próximas semanas. O Bloco de Esquerda e o PCP estão contra os planos de privatização e insistem que a solução é nacionalizar o banco. O Bloco de Esquerda defende que privatizar 75% é o pior de dois mundos. Já o PCP diz que o banco deve ser integrado no setor público.

  • Identificadas 10 mil vítimas de violência em 2016
    1:32

    País

    Há cada vez mais homens e idosos a pedirem ajuda à Associação Portuguesa de Apoio à Vítima. Segundo o relatório anual da APAV conhecido esta segunda-feira, foram identificadas quase 10 mil vítimas de violência no ano passado. Cerca de 80% são mulheres casadas e com cerca de 50 anos.