sicnot

Perfil

Mundo

Avião militar venezuelano despenhou-se quando perseguia aeronave ilegal na fronteira

Um avião da Força Aérea Venezuelana despenhou-se quando perseguia uma aeronave "ilegal" numa localidade próxima da fronteira com a Colômbia, com dois tripulantes a bordo anunciou o ministério da Defesa.

Num comunicado, aquele organismo refere que o acidente aconteceu pelas 21:07 horas locais de quinta-feira (0:37 horas de hoje em Lisboa), envolvendo um avião de fabrico russo, pilotado pelos capitães Ronald Ramirez e Jackson Garcia, que se despenhou quando "cumpriam o sagrado dever de custodiar o nosso espaço aéreo soberano".

O documento indica que "se ativou o sistema de defesa aérea integral, ao detetar que uma aeronave ilícita entrou na região norte-ocidental do país, em direção ao sul, ao limite fronteiriço com a República da Colômbia, zona onde mafias ligadas ao narcotráfico pretendem utilizar o nosso território como plataforma de distribuição de drogas do vizinho país para a América Central e as Caraíbas".

A aeronave "despenhou-se a terra, sem que se conheça a situação dos pilotos", refere a Venezuela, que assegura o empenho das suas Forças Armadas no combate ao narcotráfico e ao paramilitarismo que se verifica na zona.

No passado dia 24 de agosto, as autoridades venezuelanas decretaram o estado de emergência em seis municípios fronteiriços com a Colômbia, justificando a medida com o combate a grupos paramilitares, ao narcotráfico e ao contrabando.

Entretanto o estado de emergência foi expandido a 20 municípios, abrangendo os Estados venezuelanos de Táchira, Zúlia e parte de Apure.

Desde o encerramento da fronteira, pelo menos 1.355 colombianos foram repatriados e mais de quinze mil abandonaram a Venezuela voluntariamente, segundo fontes não oficiais.

O encerramento tem gerado preocupação em organismos internacionais como a União de Nações da América do Sul (Unasul) e a União Europeia.

Lusa

  • "O que é isto, mamã?"
    36:23
  • O ensino à distância em Portugal
    4:12

    País

    Em Portugal, o ensino básico e secundário à distância já conta com 300 alunos e com a preciosa ajuda das novas tecnologias. É através do computador que a escola viaja e acompanha os alunos, alguns com doenças que não os permitem ir às aulas, outros que são atletas de alta competição e que têm a maior parte do tempo ocupado por treinos ou ainda os que fazem parte de famílias itenerantes, como é o caso dos que vivem no circo e andam de terra em terra.

  • Aprender a jogar badminton ao ritmo do samba
    2:54

    Mundo

    No Brasil, a correspondente da SIC foi conhecer um projeto social no Rio de Janeiro que mistura samba e desporto. Um desporto que ainda é pouco praticado mas que tem sido fundamental para transformar a vida de jovens das favelas e para descobrir novos talentos do badminton brasileiro.

    Correspondente SIC