sicnot

Perfil

Mundo

Ataques do Boko Haram de domingo na Nigéria provocaram dezenas de mortos

O grupo extremista Boko Haram realizou no domingo dos ataques mais mortíferos na cidade nigeriana de Maiduguri, desde que o novo Presidente do país, Muhammudu Buhari, tomou posse, provocando entre 50 e 85 mortos.

Jossy Ola

A polícia da capital do estado de Borno disse que pelo menos 54 pessoas morreram nos ataques coordenados de domingo, que deixaram também 90 feridos.

Testemunhas falam de pelo menos 85 mortos.

Os ataques de domingo à noite ocorreram próximo do aeroporto da cidade.

As forças de defesa e equipas de resgate disseram que as explosões foram provocadas com dispositivos caseiros, mas a polícia salientou que uma mulher também se fez explodir.

Maiduguri, onde o grupo Boko Haram foi fundado em 2002, tem sido o epicentro da atividade do grupo, que aumentou desde que o novo chefe de Estado chegou ao poder e prometeu eliminá-los num prazo de três meses.

Desde que o Presidente tomou posse, a 29 de maio, pelo menos 1.100 pessoas foram mortas em ataques do grupo no estado de Borno.

As autoridades nigerianas têm minimizado o número de mortos provocados pelos ataques do Boko Haram, que desde 2009 já retiraram a vida a pelo menos 17.000 pessoas e forçaram mais de dois milhões a deixar as suas casas.

Lusa

  • A fuga dos PIDES
    20:08
  • Dominado incêncio no centro de tratamento de resíduos da Tratolixo
    1:55

    País

    O fogo na Tratolixo, em Trajouce, deflagrou esta segunda-feira à noite. As chamas foram controladas a meio da manhã pelos bombeiros. No local estão 133 operacionais, apoiados por 51 veículos. O fogo não fez vítimas nem danos materiais. O vento dificultou o combate às chamas.

  • Duas execuções no mesmo dia pela primeira vez em 17 anos nos EUA

    Mundo

    O estado norte-americano do Arkansas (sul) executou, na noite de segunda-feira, dois condenados à morte, o que sucede pela primeira vez em 17 anos no país, anunciou a procuradora-geral daquele estado. Jack Jones e Marcel Williams, condenados separadamente na década de 1990 à pena capital por violação e assassínio, receberam uma injeção letal depois de diferentes tribunais terem rejeitado os respetivos recursos, afirmou Leslie Rutledge, em comunicado.