sicnot

Perfil

Mundo

Bruxelas investiga 19 Estados-membros por violação do direito de asilo

A Comissão Europeia abriu uma investigação a 19 Estados-membros por 40 violações da disposição sobre o direito de asilo, entre eles Espanha, Alemanha, França, Holanda e Hungria, noticia hoje o jornal alemão Die Welt.

(arquivo)

(arquivo)

reuters

De acordo com o jornal, citado pela agência espanhola Efe, além destes países, estão também sob investigação a Áustria e a Itália, entre outros, sendo que Portugal não é mencionado.

A Dinamarca, a Irlanda e o Reino Unido não são afetados porque não estão dentro do sistema europeu referente ao direito de asilo.

Segundo o jornal, em causa estão a falta de transposição de uma diretiva comunitária para a legislação destes países no que diz respeito ao reconhecimento dos refugiados, sobre as normas mínimas do procedimento para reconhecer o direito de asilo e sobre as condições de acolhimento dos solicitadores de asilo.

"De nada vale discutir novas regras da política migratória nas cimeiras se depois a legislação em vigor é aplicada de maneira insuficiente", comentou uma fonte europeia não identificada ao Die Welt.

O primeiro passo da investigação é uma advertência aos Estados, que terão agora dois meses para responder, sendo que se não adaptarem as suas legislações nesse período poderão ser levados ao tribunal europeu.

O diário alemão revela estas informações horas antes da reunião que vai juntar hoje em Bruxelas os chefes de Estado e de Governo para abordar a questão da crise dos refugiados.

  • Três letras de Zeca Afonso

    Cultura

    No dia em que se assinalam 30 anos da morte de Zeca Afonso, Raquel Marinho, jornalista da SIC e divulgadora de poesia portuguesa contemporânea, escolhe três letras do cantor e autor para dizer, em forma de homenagem.

    Raquel Marinho

  • Cunhado do Rei de Espanha em liberdade sem caução

    Mundo

    Inaki Urdangarin vai mesmo aguardar o desenrolar do recurso em liberdade na Suíça, onde o marido da Infanta Cristina tem residência oficial e onde terá de se apresentar às autoridades uma vez por mês, para além de estar obrigado a comunicar qualquer deslocação fora da Europa. De fora fica ainda o pagamento da caução de 200 mil euros pedida pelo Ministério Público espanhol.