sicnot

Perfil

Mundo

Doze prémios Nobel da Paz pedem a Obama ajuda para libertar Liu Xiaobo

Doze prémios Nobel da Paz, incluindo Desmond Tutu e o Dalai Lama, pediram ao Presidente norte-americano para exigir a libertação do dissidente chinês Liu Xiaobo, durante a visita do chefe de Estado da China aos Estados Unidos.

© Scanpix Scanpix / Reuters

Segundo uma carta hoje divulgada, com data de 02 de setembro, os signatários exortam Barack Obama, também prémio Nobel da Paz, a "pedir publicamente ao Governo chinês para libertar" Liu Xiaobo e a sua mulher, Liu Xia.

O escritor e crítico literário chinês, que também venceu o prémio Nobel da Paz, foi condenado a 11 anos de prisão por "subversão", em 2009.

Logo a seguir, a sua mulher, Liu Xia, foi posta em prisão domiciliária.

Na carta, os signatários pedem para que seja autorizada a "ir para o estrangeiro receber tratamento, tal como pediu".

"Todas as tentativas para encontrar uma solução para a sua detenção através de negociações diplomáticas nos bastidores falharam", referem os 12 signatários, que incluem também o ex-Presidente polaco Lech Walesa e o ex-líder do Partido Unionista da Irlanda do Norte, David Trimble.

"Acreditamos que se líderes como o senhor não agirem rapidamente na frente do palco e nos bastidores, a China vai continuar a acreditar que pode agir com impunidade e sem consequências", referem na carta a Barack Obama.

O Presidente da China, Xi Jinping, chegou terça-feira aos Estados Unidos e deve ser recebido sexta-feira por Barack Obama na Casa Branca.

O governo norte-americano prometeu que a espinhosa questão dos direitos humanos, as liberdades políticas e religiosas vão ser discutidas, com destaque para o comércio.

Lusa

  • Fuga de Vale de Judeus em junho de 1975 no Perdidos e Achados
    0:36

    Perdidos e Achados

    Prisão Vale de Judeus, final de tarde de domingo, dia 29 de junho de 1975. O plano da fuga terá sido desenhado por uma vintena de homens. Serrada a presiana metálica era preciso passar, para fora do edifício, as cabeceiras dos beliches onde os presos dormiam. Ao longo de cerca de uma hora 89 detidos, agentes da PIDE/DGS, a Polícia Internacional e de Defesa do Estado português extinta depois da revolução de 1974, fogem do estabelecimento prisional.

    Segunda-feira no Jornal da Noite