sicnot

Perfil

Mundo

Ministro saudita atribui debandada a falta de disciplina de peregrinos

O ministro da Saúde saudita atribuiu a debandada que causou hoje mais de 700 mortos em Mina, perto de Meca, à falta de disciplina dos peregrinos, que têm tendência, segundo ele, para ignorar as instruções dos responsáveis da peregrinação.

© Ahmad Masood / Reuters

"Se os peregrinos tivessem seguido as indicações, teríamos podido evitar este género de acidente", declarou Khaled al-Faleh à televisão pública El-Ekhbariya, depois de se ter deslocado ao local da tragédia, a pior a enlutar a peregrinação anual muçulmana nos últimos 25 anos.

"Numerosos peregrinos movimentam-se sem respeitar os horários" determinados pelos responsáveis da gestão dos ritos, disse o ministro, adiantando ser essa "a razão principal deste tipo de incidente".

Al-Faleh referiu que os seus serviços estão mobilizados para socorrer e tratar os feridos e prometeu uma investigação ao sucedido "rápida e transparente".

Segundo o último balanço divulgado pela Proteção Civil da Arábia Saudita, 717 pessoas morreram e 805 ficaram feridas na debandada. Um choque entre duas marés humanas, uma que abandonava e outra que se aproximava do local do apedrejamento simbólico de Satanás.

O Irão, que perdeu 43 cidadãos na debandada, atribuiu a tragédia a falhas no dispositivo de segurança saudita.

O ritual do 'hajj' está entre os cinco pilares do islamismo e todos os muçulmanos deverão realizar a peregrinação a Meca pelo menos uma vez na vida.

Lusa

  • Debandada em Meca faz mais de 700 mortos
    1:12

    Mundo

    Pelo menos 717 pessoas morreram e mais de 800 ficaram feridas num esmagamento perto de Meca, na Arábia Saudita, segundo o último balanço das autoridades. As vítimas participavam numa peregrinação muçulmana que junta mais de dois milhões de pessoas. No local, ainda decorrem as operações de socorro.

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18