sicnot

Perfil

Mundo

Jovem encabeça "revolução capilar" na África do Sul

Dylan Reynders, 17 anos. Lidera uma espécie de "revolução capilar" em Joanesburgo, na África do Sul. Recusa-se a cortar o cabelo, como obrigam as regras da escola, e recorre à lei fundamental para dizer não.

Careca de saber as regras da escola, com as quais não concorda no que ao cabelo diz respeito, Dylan Reynders decidiu, durante as férias, debruçar-se sobre a constituição e regulamentos internos das escolas sul-africanas.

No regresso à escola, este mês, decidiu tomar uma posição: recusar-se a cortar o cabelo e recorreu à lei fundamental para dizer não. Aconteceu na Bryanston High School em Joanesburgo, conta a BBC.

Foi o rastilho para uma discussão que já dura há várias semanas. De acordo com as regras da escola, frequentada pelo jovem Dylan e citadas pela BBC, "o cabelo não pode tocar nas orelhas ou encaracolar e tocar no pescoço".

Questionado sobre as motivações deste protesto, o jovem explicou: "Basta. Já chega. Além do mais o meu cabelo não está assim tão comprido".

Apesar do apoio da família e do diretor da escola reconhecer-se a coragem, Dylan não se livrou de uma suspensão.

Já perdeu duas das três primeiras semanas de escola. Regressou à escola, de cabelo cortado e com um lugar no conselho estudantil onde irá ser debatida a "problemática".

  • Governo lança linha de crédito de 100 M€ para empresas situadas no interior

    País

    As políticas de valorização do interior, tema escolhido pelo primeiro-ministro, António Costa, abriram o debate quinzenal na Assembleia da República. O primeiro-ministro anunciou que o Governo vai lançar uma linha de crédito de 100 milhões de euros destinada exclusivamente a pequenas e microempresas empresas situadas no interior, a par da reprogramação do Portugal 20/20.

    Direto

  • Cachalote-pigmeu morreu pouco tempo depois de dar à costa em Lisboa
    1:13
  • PSD compara SNS a um "cenário de guerra", Centeno desdramatiza
    2:44

    Economia

    O ministro das Finanças esteve esta amanhã no Parlamento e voltou a não comprometer-se com aumentos salariais na função pública no próximo ano. Deu mesmo a entender que a medida não é prioritária. A discussão passou também pelo Serviço Nacional de Saúde. Centeno desdramatizou as carências mas o PSD comparou o que s passa a um cenário de guerra.