sicnot

Perfil

Mundo

Shell abandona controversa extração de petróleo no Alasca

A gigante petrolífera anglo-holandesa Royal Dutch Shell vai parar com a controversa exploração no Alasca, depois dos testes num primeiro furo se terem revelado dececionantes. Encerra assim uma longa polémica com ambientalistas.

Ambientalistas da Greenpeace em protesto contra a Shell.

Ambientalistas da Greenpeace em protesto contra a Shell.

© Arnd Wiegmann / Reuters

A empresa anunciou hoje que, embora tenha encontrado gás e petróleo num poço a cerca de 2070 metros de profundidade na bacia Burguer J, não há quantidades suficientes para justificar a exploração comercial.

No início de maio deste ano, os Estados Unidos autorizaram a Shell a iniciar perfurações exploratórias de hidrocarbonetos no Oceano Ártico, ao largo do Alasca.

A Shell começou a perfuração no final de julho, provocando a contestação das organizações ecologistas, que denunciaram os "elevados riscos para as populações do Ártico, para a fauna e para o clima".

A empresa ainda reconhece "o potencial de exploração da bacia petrolífera" - com um tamanho equivalente a metade do Golfo do México - e que pode vir a ter "uma importância estratégica para o Estados Unidos e para o Alasca".

"No entanto, o resultado desta prospecção é claramente decepcionante", refere a Shell em comunicado.

  • Os números das eleições francesas
    0:50

    Eleições França 2017

    Os resultados definitivos mostram que Emmanuel Macron obteve 24% dos votos, na primeira volta das eleições francesas. Ficou quase três pontos à frente de Marine Le Pen, que conseguiu 21,3%. Os números oficiais, publicados pelo Ministério do Interior, dão ainda conta da taxa de abstenção: 22,2%, um ligeiro aumento face à primeira volta das presidenciais de 2012.

  • ASAE encerra em média um restaurante por dia
    1:33
  • Grupo de brasileiros em assalto milionário no Paraguai
    1:24