sicnot

Perfil

Mundo

Sondagem indica que britânicos são cada vez mais a favor da saída da UE

Os britânicos estão cada vez mais a favor do "brexit" (termo utilizado para designar a saída da Grã-Bretanha da União Europeia), de acordo com uma nova sondagem publicada hoje no diário "The Times".

© Toby Melville / Reuters

A sondagem, feita pela empresa YouGov para aquele periódico, indica que 40% dos inquiridos prefere sair do bloco europeu, enquanto 38% defende a permanência.

O matutino salienta também que a última vez em que os defensores da saída da UE estiveram à frente nas sondagens foi em novembro de 2014.

No passado mês de junho, foi levada a cabo uma sondagem que apontou para uma vantagem de 10 pontos dos que preferem ficar na União Europeia.

"Contudo, a opinião pública parece ter mudado de ideias depois de um verão marcado pela crise dos refugiados", salienta o '"The Times'.

Esta sondagem foi publicada numa altura em que estão a decorrer debates internos nos partidos sobre as vantagens em o Reino Unido sair da UE.

O primeiro-ministro britânico, David Cameron, prometeu levar a cabo um referendo europeu antes do fim de 2017.

De acordo com o jornal, David Cameron não fixou ainda uma data para o referendo, mas alguns comentadores políticos afirmam que poderá realizar-se no outono do próximo ano.

Lusa

  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.