sicnot

Perfil

Mundo

Larvas que comem esferovite podem ser solução para eliminar este lixo

Larvas que comem esferovite poderão ser a solução para eliminar este lixo plástico tão durável e praticamente indestrutível.

Yu Yang / Stanford

Cientistas norte-americanos da Universidade de Stanford criaram em laboratório larvas da farinha alimentadas a esferovite (espuma de polistireno) desde o nascimento. Nenhuma desenvolveu qualquer doença, são tão saudáveis como as do grupo de controlo alimentadas a farelo.

Estas larvas conseguem digerir o plástico graças a uma bactéria que têm nos intestinos. Cada larva comeu entre 34 a 39 miligramas de esferovite por dia, convertendo cerca de metade em dióxido de carbono e outra metade em lixo não tóxico, revelaram no estudo publicado na revista Environmental Science and Technology.

Perceber como estas bactérias digerem este plástico praticamente indestrutível poderá ser a chave para a eliminação de milhões de toneladas deste material sintético que vão para o lixo todos os anos.

Uma outra investigação já apontava para a descoberta de uma outra larva capaz de digerir plático - o polietileno, outro plástico problemático para o ambiente.

  • Luís Pina indiciado por quatro crimes de tentativa de homicídio
    2:24
  • Ministro "mais descansado" com relatório sobre Almaraz, ambientalistas contestam
    2:01

    País

    O ministro do Ambiente diz estar mais descansado depois de conhecer o relatório técnico que considera o armazém de resíduos nucleares em Almaraz uma solução adequada. Já as associações ambientalistas e os partidos criticam o parecer positivo à construção e querem ouvir os ministros do Ambiente e dos Negócios Estrangeiros no Parlamento.

  • Marcelo recebido por multidão na Ovibeja
    2:52
  • Líderes europeus unidos para iniciar saída do Reino Unido
    2:08
  • 100 dias de Trump em 04'30''
    4:33

    Pequenas grandes histórias

    Donald Trump tomou posse como 45º Presidente dos EUA dia 20 de janeiro de 2017, faz este sábado, 100 dias. Prometeu grandes mudanças, mas os planos acabaram por chocar de frente com a realidade e a burocracia de Washington, como foi o caso do Obamacare. Foi a primeira ordem executiva que assinou, no dia em que tomou posse, mas a revogação está longe de acontecer.