sicnot

Perfil

Mundo

Larvas que comem esferovite podem ser solução para eliminar este lixo

Larvas que comem esferovite poderão ser a solução para eliminar este lixo plástico tão durável e praticamente indestrutível.

Yu Yang / Stanford

Cientistas norte-americanos da Universidade de Stanford criaram em laboratório larvas da farinha alimentadas a esferovite (espuma de polistireno) desde o nascimento. Nenhuma desenvolveu qualquer doença, são tão saudáveis como as do grupo de controlo alimentadas a farelo.

Estas larvas conseguem digerir o plástico graças a uma bactéria que têm nos intestinos. Cada larva comeu entre 34 a 39 miligramas de esferovite por dia, convertendo cerca de metade em dióxido de carbono e outra metade em lixo não tóxico, revelaram no estudo publicado na revista Environmental Science and Technology.

Perceber como estas bactérias digerem este plástico praticamente indestrutível poderá ser a chave para a eliminação de milhões de toneladas deste material sintético que vão para o lixo todos os anos.

Uma outra investigação já apontava para a descoberta de uma outra larva capaz de digerir plático - o polietileno, outro plástico problemático para o ambiente.

  • Sporting de Braga eliminado da Liga Europa
    2:01
  • Dissolução da União Soviética aconteceu há 25 anos

    Mundo

    Assinalaram-se esta quinta-feira 25 anos desde o fim do acordo que sustentava a União Soviética. A crise começou em 80, mas aprofundou-se nos anos 90 com a ascensão de movimentos nacionalistas em praticamente todas as repúblicas soviéticas.