sicnot

Perfil

Mundo

Quase 250 funcionários públicos chineses punidos por "preguiça"

A China puniu 249 funcionários públicos por "preguiça", nomeadamente, devido ao atraso na conclusão de obras públicas e não utilização de fundos do Governo e terrenos para construção, noticia hoje a agência oficial chinesa Xinhua.

Reuters

A investigação, que decorreu entre maio e meados de junho, resultou na demissão ou despromoção de funcionários em 24 províncias, regiões ou cidades chinesas.

"Desde que foi lançada a mais drástica campanha anticorrupção de sempre na China, muitos funcionários mostram-se reticentes em aprovar grandes projetos", escreve o jornal China Daily.

A mesma publicação refere que, "no passado, as autoridades locais tentavam todos os meios possíveis para obter a permissão e financiamento do Governo central para o desenvolvimento de projetos".

No total, 296 mil milhões de yuan (cerca de 41 mil milhões de euros) em fundos públicos ficaram por gastar.

Lançada após a ascensão ao poder do presidente Xi Jinping, a campanha anticorrupção já atingiu dezenas de altos quadros com estatuto ministerial e milhares de funcionários públicos.

Pequim quer "combater a preguiça e inércia no Governo e garantir que os objetivos económicos para este ano estão a ser cumpridos", escreve a Xinhua.

A economia chinesa deverá crescer 7% em 2015, o ritmo mais baixo do último quarto de século.

  • Fogo em Setúbal dominado
    2:31

    País

    O incêndio que deflagrou na terça-feira em Setúbal está dominado. As chamas chegaram a ameaçar as casas, o que obrigou à retirada de cerca de 500 pessoas das habitações, como medida de precaução. Também o Hotel do Sado teve de ser evacuado.

  • "Lancei um tema que os portugueses há muito queriam discutir"
    11:26
  • Danos Colaterais 
    18:55
    Reportagem Especial

    Reportagem Especial

    Jornal da Noite

    Nos últimos oito anos a banca perdeu 12 mil profissionais. A dimensão de despedimentos no setor é a segunda maior da economia portuguesa, só ultrapassada pela construção civil. A etapa mais complexa da história começou em 2008, com a nacionalização do BPN. Desde então, as saídas têm sido a regra. A reportagem especial desta terça-feira, "Danos Colaterais", dá voz aos despedidos da banca.