sicnot

Perfil

Mundo

Quase 250 funcionários públicos chineses punidos por "preguiça"

A China puniu 249 funcionários públicos por "preguiça", nomeadamente, devido ao atraso na conclusão de obras públicas e não utilização de fundos do Governo e terrenos para construção, noticia hoje a agência oficial chinesa Xinhua.

Reuters

A investigação, que decorreu entre maio e meados de junho, resultou na demissão ou despromoção de funcionários em 24 províncias, regiões ou cidades chinesas.

"Desde que foi lançada a mais drástica campanha anticorrupção de sempre na China, muitos funcionários mostram-se reticentes em aprovar grandes projetos", escreve o jornal China Daily.

A mesma publicação refere que, "no passado, as autoridades locais tentavam todos os meios possíveis para obter a permissão e financiamento do Governo central para o desenvolvimento de projetos".

No total, 296 mil milhões de yuan (cerca de 41 mil milhões de euros) em fundos públicos ficaram por gastar.

Lançada após a ascensão ao poder do presidente Xi Jinping, a campanha anticorrupção já atingiu dezenas de altos quadros com estatuto ministerial e milhares de funcionários públicos.

Pequim quer "combater a preguiça e inércia no Governo e garantir que os objetivos económicos para este ano estão a ser cumpridos", escreve a Xinhua.

A economia chinesa deverá crescer 7% em 2015, o ritmo mais baixo do último quarto de século.

  • PSD e CDS admitem chamar António Costa à nova Comissão de Inquérito à CGD
    2:37

    Caso CGD

    PSD e CDS admitem chamar o primeiro-ministro à nova Comissão de Inquérito à CGD. Apesar de ser uma hipótese, a SIC sabe que os dois partidos ainda estão a definir o objeto do inquérito e, por isso, afirmam que é prematuro falar sobre eventuais audições. Seja como for, António Costa voltou esta segunda-feira a dizer que o assunto está encerrado.

  • Venda do Novo Banco terá que ser negociada em Bruxelas
    0:43

    Economia

    A venda do Novo Banco vai ter que ser negociada com Bruxelas, uma vez que o Lone Star planeia agora ficar com 65% da instituição, obrigando o Estado a manter uma posição no banco. O ministro das Finanças lembra que esta também era uma possibilidade mas salienta que o assunto está nas mãos do Banco de Portugal.

  • O atentado na Suécia inventado por Donald Trump
    2:12
  • Primeiro-ministro sueco "surpreendido" com as declarações de Trump
    0:53

    Mundo

    O primeiro-ministro sueco ficou surpreendido com as declarações de Donald Trump, que, no fim de semana, se referiu a um suposto ataque terrorista no país escandinavo, relacionado com a imigração. Stefan Löfven fala na responsabilidade de usar os factos correctamente e diz que é preciso verificar a informação que é divulgada.

  • Angelina emociona-se ao falar da separação de Brad Pitt
    1:25
  • Modelo obrigada a prometer que não volta a arriscar a vida numa sessão fotográfica
    1:46