sicnot

Perfil

Mundo

DGS confirma quatro casos de botulismo e dois casos prováveis

A Direção-Geral de Saúde (DGS) informou hoje que o balanço do número de casos de botulismo alimentar em Portugal aumentou para quatro doentes confirmados e "dois casos prováveis em estudo", que aguardam resultados de análises.

MIGUEL A. LOPES

A DGS refere ainda, num esclarecimento publicado na sua página na Internet, que não há mortes a registar relacionados com botulismo alimentar.

Segundo a DGS, dos quatro casos confirmados um diz respeito a um cidadão residente na Suíça, "que consumiu alimentos suspeitos em Portugal".

Os "dois casos prováveis" aguardam resultados das análises em curso pelo Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge.

"Não há, por razões de Saúde Pública, impedimento de consumo de alimentos do tipo enchidos e fumados uma vez que o problema de intoxicação foi unicamente identificado em determinada marca, já referida anteriormente", declarou a DGS.

No sábado, um comunicado conjunto da DGS, da Direção-Geral de Alimentação e Veterinária, da Autoridade de Segurança Alimentar e Económica e do INSA revelou que "a origem destes casos de doença está associada à ingestão de produtos alimentares fumados (alheiras) comercializados apenas com a marca comercial Origem Transmontana".

Por esta razão, foi determinada a "retirada imediata dos produtos à base de carne e dos queijos, da marca comercial Origem Transmontana, dos circuitos de distribuição e comercialização".

O botulismo alimentar é uma doença grave de evolução aguda e é desde 1999 de declaração obrigatória em Portugal, tendo-se registado até 2013 menos de uma centena de casos.

Lusa

  • Mais dois casos suspeitos de botulismo
    0:25

    País

    Além dos três casos confirmados de botulismo há mais dois doentes que podem ter sido infetados com a doença. Todos os doentes estão internados mas nenhum corre risco de vida. Só na sexta-feira deverão ser conhecidos os resultados das análises aos dois novos doentes.

  • O que é o botulismo?
    0:59

    País

    Os produtos da marca "Origem Transmontana" que foram retirados do mercado terão causado três casos de botulismo alimentar. Em comunicado, a Direção Geral da Saúde alerta para os perigos e explica o que pode estar na origem da doença.

  • Casos de botulismo alimentar prejudicam setor do fumeiro em Trás-os-Montes
    3:02

    País

    A notícia dos três casos de botulismo alimentar, relacionados com a ingestão de alheira da marca "Origem Transmontana", está a ter consequências negativas para o setor do fumeiro de Trás-os-Montes. Há já produtores de alheiras de Mirandela que se viram confrontados com o cancelamento de encomendas porque os consumidores estão associar o nome daquela marca a todos os produtos com origem na Região transmontana.

  • Passos explica porque se irritou com Costa
    0:42

    Economia

    Depois das imagens em que surgiu visivelmente irritado com António Costa, no último debate quinzenal, Passos Coelho veio agora explicar porquê. Na discussão com o primeiro-ministro, o líder do PSD não gostou que Costa tivesse insinuado que a fuga de 10 mil milhões de euros para offshores tenha ocorrido por inação do Governo anterior.

  • Ferro Rodrigues desvaloriza críticas do CDS
    3:24

    Caso CGD

    Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de receber em público Ferro Rodrigues antes de um almoço com o presidente da Assembleia da República. O Presidente também recebeu a representante do CDS-PP, Assunção Cristas, que foi apresentar queixa de Ferro Rodrigues e da maioria de esqueda em relação à comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos. Ferro Rodrigues desvalorizou as críticas.

  • Luaty Beirão agredido em manifestação em Luanda
    1:27

    Mundo

    Luanda tem sido palco de várias manifestações contra a forma como está a decorrer o processo eleitoral em Angola. Esta sexta-feira, uma dessas manifestações acabou em confrontos com as autoridades. Entre os manifestantes estava o ativista Luaty Beirão.

  • Regime de Pyongyang nega envolvimento na morte de Kim Jong-nam 
    1:53

    Mundo

    A polícia da Malásia diz que o irmão do líder da Coreia do Norte foi morto com uma arma química. Os investigadores encontraram vestígios de gás VX no corpo de Kim Jong-nam, um gás letal proibido pelas convenções internacionais. O Governo da Coreia do Sul pediu esta sexta-feira ao regime de Pyongyang que admita que está por detrás da morte de Kim Jong-nam mas o mesmo já veio negar o envolvimento no assassinato.