sicnot

Perfil

Mundo

Deslizamento de terras na Guatemala causa quatro mortos e cem desaparecidos

Pelo menos quatro pessoas morreram e outras cem estão desaparecidas na sequência de um deslizamento de terras que danificou cerca de 125 casas nos arredores da Cidade da Guatemala.

© Stringer . / Reuters

O deslizamento ocorreu quinta-feira à noite, na sequência de chuvas intensas na região de El Cambray II, quinze quilómetros a este da capital da Guatemala, revelou David de Leon, porta-voz da coordenação do grupo que está a minimizar os danos, à Agência France Presse.

David de Leon informou que pelo menos quatro pessoas morreram e uma centena está desaparecida, havendo ainda a registar 32 feridos e 43 pessoas deslocadas em abrigos.

Dezenas de funcionários de equipas de resgate, polícias, soldados e pessoas da vizinhança estão a unir esforços para remover os escombros em busca dos desaparecidos.

O porta-voz da coordenação do grupo para minimização de danos referiu ainda que o impacto das chuvas torrenciais foi intensificado por um rio próximo e lembrou que, o ano passado, as autoridades municipais haviam recomendado à população que se afastasse do local.

Antes deste deslizamento, oito pessoas já haviam perdido a vida em incidentes relacionados com a estação das chuvas no país, entre maio e novembro, tendo a estação das chuvas de 2014 causado 29 mortos e danos em mais de 9.000 casas.

Lusa

  • Quando se pode circular pela esquerda? A GNR explica (e fiscaliza)
    5:46

    Edição da Manhã

    A regra aplica-se a autoestradas e outras vias com esse perfil mas dentro das localidades há exceções. A Guarda Nacional Republicana está a promover em todo o território nacional várias ações de sensibilização e fiscalização no sentido de prevenir e reprimir a circulação de veículos pela via do meio ou da esquerda quando não exista tráfego nas vias da direita. O major Paulo Gomes, da GNR, esteve na Edição da Manhã. 

  • O pedido de desculpas de Dijsselbloem
    2:12

    Mundo

    O Governo português continua a mostrar a indignação que diz sentir perante as declarações do presidente do Eurogrupo. O ministro dos Negócios Estrangeiros português garante que com Dijsselbloem "não há conversa possível". Jeroen Dijsselbloem começou por recusar pedir desculpa mas depois cedeu perante a onda de indignação.

  • A primeira vez do Sr. Árbitro
    12:41