sicnot

Perfil

Mundo

Deslizamento de terras na Guatemala causa quatro mortos e cem desaparecidos

Pelo menos quatro pessoas morreram e outras cem estão desaparecidas na sequência de um deslizamento de terras que danificou cerca de 125 casas nos arredores da Cidade da Guatemala.

© Stringer . / Reuters

O deslizamento ocorreu quinta-feira à noite, na sequência de chuvas intensas na região de El Cambray II, quinze quilómetros a este da capital da Guatemala, revelou David de Leon, porta-voz da coordenação do grupo que está a minimizar os danos, à Agência France Presse.

David de Leon informou que pelo menos quatro pessoas morreram e uma centena está desaparecida, havendo ainda a registar 32 feridos e 43 pessoas deslocadas em abrigos.

Dezenas de funcionários de equipas de resgate, polícias, soldados e pessoas da vizinhança estão a unir esforços para remover os escombros em busca dos desaparecidos.

O porta-voz da coordenação do grupo para minimização de danos referiu ainda que o impacto das chuvas torrenciais foi intensificado por um rio próximo e lembrou que, o ano passado, as autoridades municipais haviam recomendado à população que se afastasse do local.

Antes deste deslizamento, oito pessoas já haviam perdido a vida em incidentes relacionados com a estação das chuvas no país, entre maio e novembro, tendo a estação das chuvas de 2014 causado 29 mortos e danos em mais de 9.000 casas.

Lusa

  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.